INSS 2022: saiba quais os novos valores para contribuição mensal

Tendo em vista que o salário mínimo é a base utilizada para a viabilização de uma série de direitos e benefícios aos trabalhadores, é preciso se atentar, pois neste ano, a contribuição para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) também foi alterada.

publicidade
INSS 2022: saiba quais os novos valores para contribuição
INSS 2022: saiba quais os novos valores para contribuição. (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)

Agora, com a oferta de um piso nacional de R$ 1.212, o percentual de contribuição foi elevado para 10,18%, promovendo alterações instantâneas em toda a tabela de contribuições. 

Isso quer dizer que, os novos índices já serão colocados em prática a partir de fevereiro, impactando diretamente nos descontos e, por consequência, nos valores a serem recebidos pelos segurados do INSS.

publicidade

Contudo, nem todos sabem, mas desde novembro de 2019 a contribuição ao INSS não é mais fixa, e sim progressiva, de acordo com cada faixa salarial até atingir o teto da autarquia, como acontece no Imposto de Renda.

Vale explicar que a nova alíquota do INSS foi estabelecida com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que foi fixado em 10,18% no apanhado da inflação no decorrer de 2021. 

Portanto, essa será a alíquota base para definir os percentuais de contribuição a serem respeitados por cada categoria. Por exemplo, no caso dos empregados, empregados domésticos e trabalhadores avulsos, a alíquota de contribuição em 2022 será de 7,5% para quem recebe um salário mínimo. 

Os trabalhadores cujo salário varia entre R$ 1.212,01 a R$ 2.427,79 devem fazer uma contribuição de 9% ao INSS. Para aqueles que a remuneração parte de R$ 2.427,80 até 3.641,69 pagarão 12%. O teto da alíquota é de 14%, equivalente a salários entre 3.641,70 a R$ 7.088,50. 

Veja a tabela de contribuição mensal do INSS para 2022:

Faixa de salário Alíquota de contribuição
Até um salário mínimo (R$ 1.212) 7,5%
De R$ 1.212,01 a R$ 2.427,79 9%
De R$ 2.427,80 a R$ 3.641,69 12%
De R$ 3.641,70 a R$ 7.088,50 (Teto do INSS) 14%
publicidade

Na circunstância dos contribuintes que são Microempreendedores Individuais (MEI), é importante mencionar que eles também são afetados pelo reajuste do piso nacional e, por consequência, da contribuição ao INSS.

Desta forma, os segurados que efetuam o pagamento através do carnê manual ou pela emissão da guia de recolhimento do próprio site da autarquia devem se atentar ao novo valor.

Lembrando que a contribuição ao INSS ainda é feita com base na competência de dezembro de 2021, logo, continua com o valor equivalente ao salário mínimo do ano passado. 

publicidade

A competência de dezembro deve ser paga até o dia 15 de janeiro. Se a data cair em um feriado ou final de semana, o vencimento ocorrerá no próximo dia útil, com exceção para o MEI, cujo vencimento é fixo para o dia 20. 

Em contrapartida, a partir de janeiro, a apuração já deve ser realizada considerando o percentual de contribuição de 10,18%. O MEI deve realizar uma contribuição de 5% correspondente ao salário mínimo, o que resulta na quantia mensal de R$ 60,60. 

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Veja a seguir quais são as alíquotas cobradas por cada modelo de contribuinte:

publicidade

Alíquotas do contribuinte individual do INSS

  • Contribuinte individual de 20% (Código GPs 1007): R$ 242,40;
  • Contribuinte individual de 11% (Código GPS 1163): R$ 133,32;

Alíquotas do contribuinte facultativo do INSS

  • Contribuinte facultativo de 20% (Código GPS 1406): R$ 242,40;
  • Contribuinte Facultativo de 11% (Código GPS 1473): R$ 133,32;
  • Contribuinte Facultativo Baixa Renda de 5% (Código GPS 1929): R$ 60,60.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.