Mulheres continuam sendo minoria na Bolsa de Valores; será que isso vai mudar?

Nos últimos 10 anos, a presença de mulheres como investidoras na Bolsa de Valores teve um tímido crescimento, mesmo com interesse pela renda variável aumentando em todo o país. As mulheres na bolsa representam apenas 27% dos investidores atuais da bolsa, resultado que fica somente dois pontos percentuais acima do resultado obtido em 2011, de acordo com a B3. 

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

As investidoras respondem por 1,114 milhão de CPFs cadastrados na bolsa, ao passo que os homens respondem por 2,9 milhões.

Uma destas investidoras é a influenciadora de investimentos da Clear Corretora, Ariane Campolim. Atuando como “trader”, ela cursou a faculdade de física Médica, porém, começou a se interessar pelo mercado financeiro ao cursar uma disciplina opcional de economia e entrar na área de tecnologia de um banco. Após tudo isso, Ariane se  matriculou em vários cursos para aprender a atuar no segmento, investindo cerca de R$ 30 mil neles.

Ela, que atualmente faz conteúdos sobre a sua rotina no mercado, diz que a presença das mulheres ainda é restrita no mundo dos investimentos por conta do reflexo da sociedade. “Não só no mundo das finanças, em toda a sociedade as mulheres eram excluídas. Por isso, algumas profissões ainda têm predominância masculina”, afirmou a influenciara ao Valor Investe.

publicidade

Em sua visão, este cenário deve ser melhorado em decorrência da popularização dos investimentos e do crescimento da educação financeira.  “A Clear tem uma iniciativa de mulheres na bolsa e ajudamos a mostrar como conciliar ter um trabalho, cuidar dos filhos e ter liberdade financeira.”

A fundadora e CEO da Fin4she, Carolina Cavenaghi, iniciativa que tem o objetivo de promover a participação das mulheres no mercado financeiro,  diz que o recente período de juros baixos, com a Taxa Selic em 2% ao ano, foi um cenário promissor para despertar as mulheres para o mundo dos investimentos. Simultaneamente, a representatividade das mulheres nas redes sociais vem crescendo.

“As mulheres precisam falar mais sobre investimentos, e isso não é só ir atrás de um gerente de investimentos, mas conversar entre nós. Há muito preconceito em relação a mulheres falando sobre investir. É algo normal entre homens, mas nós temos medo de soarmos arrogantes ou superiores”, disse Cavenaghi.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.