Auxílio Brasil encerrado em 2021! O que esperar do programa social em 2022?

Pontos-chave
  • O governo possui R$ 89 bilhões disponíveis para o Auxílio Brasil em 2022;
  • Serão mantidas as parcelas no valor de R$ 400, no mínimo;
  • Existe um estudo para incluir mais beneficiários e atingir 17 milhões de famílias.

Após dois meses funcionando no país em substituição ao antigo Bolsa Família, o programa Auxílio Brasil encerrou seus pagamentos na última quinta-feira (23). Agora, sem previsão para publicação de calendário, o público beneficiário vive as expectativas de funcionamento do programa para o próximo ano. 

Divulgado recentemente pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), viu-se que o Brasil possui pelo menos 19 milhões de pessoas passando fome. E que 55% das famílias vivem em situação de insegurança alimentar.

Para estas, não importa qual seja o objetivo do presidente Jair Bolsonaro em aumentar o valor do Auxílio Brasil. Seja político ou social, o reajuste vai ajudar pelo menos 14,5 milhões de famílias que vivem em situação vulnerável.

Para se ter uma ideia, o Bolsa Família pagava em média R$ 217 por beneficiário. A quantia final era decidida conforme o número de pessoas que faziam parte da mesma família, suas idades e vulnerabilidade.

Agora, o novo auxílio paga quase que o dobro de salário. O que pode ser fortemente útil considerando a alta nos preços dos itens mais básicos para sobrevivência, como os alimentos, energia elétrica e combustível.

O que continua ainda é o número de beneficiados, 14,5 milhões de famílias que migraram automaticamente de um programa para o outro.

Auxílio Brasil de 2022

Nessa semana os parlamentares se reuniram para definir o Orçamento de 2022. Ele funciona como um plano financeiro do governo que estabelece o quanto de dinheiro público deve ser usado em cada setor.

  • Saúde: R$ 147,7 bilhões
  • Educação: R$ 113,4 bilhões
  • Auxílio Brasil: R$ 89,06 bilhões;
  • Emendas de relator: R$ 16,5 bilhões;
  • Fundo eleitoral: R$ 4,93 bilhões;
  • Aquisição de vacinas: R$ 3,9 bilhões;
  • Censo 2022: R$ 2,29 bilhões;
  • Vale-gásR$ 1,9 bilhão;
  • Reajuste para as carreiras da Polícia Federal (PF), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen): R$ R$ 1,7 bilhão;
  • Reajuste do piso salarial para agentes comunitários de saúde e agentes de combate às endemias: R$ 800 milhões.

Entre outras coisa, também ficou decidido o novo salário mínimo que vai pagar R$ 1.212,00 para 50 milhões de brasileiros.

Quanto ao Auxílio Brasil, a verba pública de R$ 89,06 bilhões deve ser usada para incrementar o programa. O governo já anunciou o interesse em aumentar o número de beneficiados para 17 milhões. 

E com esse valor disponível conseguirá manter o pagamento das parcelas mensais em no mínimo R$ 400. Sem contar os bônus já anunciados, e que podem chegar a R$ 1 mil, para estudantes da rede pública que ganharem destaques em competições acadêmicas.

No entanto, embora no papel tudo pareça muito claro. Segundo uma reportagem do jornal G1, existem famílias que vivem na incerteza quanto ao valor do programa.

O jornal retrata a história Geysa de Oliveira Glória, moradora da zona leste de São Paulo, que contou a infelicidade de ter recebido R$ 65 na primeira parcela do auxílio.

Recentemente, ao consultar os valores disponíveis no Caixa Tem, foi feito um depósito de R$ 335 chamado de benefício extraordinário. Algo compensatório por não ter sido creditado o valor de R$ 400 inicialmente.

Agora, ela segue na incerteza de quanto deve receber em 2022, já que nos últimos meses desse ano os valores oscilaram tanto.

Novas inscrições

Para aqueles que vivem em situação de vulnerabilidade social, receber a ajuda financeira do governo é muitas vezes a única saída para não cair na linha da extrema pobreza.

Desde a época do Bolsa Família o governo tinha ciência de que 1,2 milhões de pessoas aguardavam por uma oportunidade de fazer parte do programa. Devido a uma brecha na Medida Provisória (MP) que autorizou o Auxílio Brasil, a proposta de zerar essa fila não ganhou continuidade.

Por isso, mesmo que o cidadão faça a inscrição no CadÚnico para tentar receber o novo auxílio, ele ainda terá que aguardar novas aprovações. Isso porque, a inclusão de novos grupos vai depender do orçamento liberado pouco a pouco.

Segundo dados do Ministério da Cidadania, existem hoje 31.451.055 famílias inscritas no Cadastro Único (CadÚnico). O governo tenta a inclusão de 3 milhões de famílias no Auxílio Brasil.

Mas não é motivo para desanimar, os brasileiros que sentem a necessidade em contar com esse tipo de ajuda devem se preparar para a inscrição no sistema de dados do governo.

Procure um atendimento de assistência social do seu município e leve todos os documentos de identificação pessoal e financeira das pessoas que residem no mesmo endereço. Ao ser incluso nesse portal, basta aguardar para ser um novo inscrito do Auxílio Brasil.

As consultas ficam disponíveis tanto no aplicativo oficial do programa, como na poupança do Caixa Tem.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Lila Cunha
Lila Cunha é formada em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Atua como repórter especial para o portal FDR. É responsável por selecionar as informações abordadas e garantir o padrão de qualidade das notícias veiculadas. Além disso, trabalha com apuração de hard news desde 2019, cobrindo o universo econômico em escala nacional.