Quais foram os fundos imobiliários protagonistas de 2021?

Entre os melhores retornos da categoria, os fundos imobiliários de “papel” se destacaram neste ano. O resultado acontece em meio ao aumento dos juros e da inflação ao longo dos últimos meses. No ano, os FIIs de recebíveis foram destaques nas emissões abertas ao público e nas ofertas restritas.

publicidade
Quais foram os fundos imobiliários protagonistas deste ano?
Quais foram os fundos imobiliários protagonistas deste ano? (Imagem: Montagem/FDR)

Segundo dados preliminares da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), neste ano, até o dia 9 de dezembro, houve um total de R$ 23,9 bilhões em ofertas públicas de fundos imobiliários.

Esta quantia se refere às ofertas com instrução CVM 400, abertas aos investidores, como um todo. No ano passado, o volume registrado havia sido de quase R$ 25 bilhões.

publicidade

Fundos imobiliários protagonistas deste ano

Os fundos de “papel” foram destaques em 2021, com aproximadamente R$ 7,5 bilhões captados. Com isso, estes fundos prosseguiram com o nível registrado nos últimos anos, conforme levantamento da Uqbar, consultoria de dados sobre o mercado financeiro

Outro destaque foi o segmento de logística, com a captação de R$ 5 bilhões no ano — o dobro do valor indicado em 2019. O resultado acontece diante da ampliação do e-commerce durante a pandemia de covid-19.

Por outro lado, na área logística, está o segmento de lajes corporativas. Apesar do destaque em 2019, o segmento vem registrando perdas desde então. Neste ano, foi movimentado menos de R$ 1 bilhão em ofertas até a consolidação de dados da Uqbar, em 3 de dezembro.

Ao InfoMoney, o coordenador editorial da Uqbar, Alfredo Marrucho, afirma que “não faz muito sentido fazer uma oferta de um fundo imobiliário de escritório neste momento”.

Por segmento, este foi o volume de ofertas em 2021:

  • Recebíveis: R$ 7,5 bilhões
  • Logística: R$ 5,674 bilhões
  • Fiagro: R$ 3,075 bilhões
  • FoFs: R$ 2,209 bilhões
  • Fazenda: R$ 1,150 bilhão
  • Escritórios: R$ 890 milhões
  • Residencial: R$ 770 milhões
  • Multiclasse: R$ 610 milhões
  • Múltiplos: R$ 530 milhões
publicidade

Ofertas restritas a investidores institucionais

O sócio-fundador da Guardian, Gustavo Asdourian, ao InfoMoney, alega que se “olhar hoje as ofertas da instrução CVM 400, abertas ao público em geral, estão captando menos ou estão saindo”.

Ao considerar também as ofertas realizadas com base na instrução CVM 476 — direcionadas a investidores institucionais — o volume captado até novembro totaliza R$ 39 bilhões. Em 2020, o valor chegou a R$ 35 bilhões, segundo dado do Hedge TOP FOF II (HFOF11), que monitora as emissões mensalmente.

Em 2021, detalhadamente, este foi o percentual de volume captado:

publicidade
  • CRI: 47%
  • Logístico: 13%
  • Corporativo: 8%
  • FoF: 7%
  • Agronegócio: 4%
  • Shopping: 2%
  • Outros: 19%

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.