Trabalho presencial ou home office? 4 em cada 10 trabalhadores preferem o formato híbrido

O site vagas.com realizou uma pesquisa recente para identificar as preferências dos trabalhadores, como entre o trabalho presencial ou remoto. Desta forma, foi fácil saber que muitos prezam pela flexibilidade do home office e buscam evitar ao máximo o deslocamento e interação constante com a equipe.

Essas escolhas estão relacionadas à importância de otimizar o tempo, o que levou muitos trabalhadores a darem preferência ao formato híbrido. Este modelo foi a resposta apresentada por quatro a cada 10 trabalhadores durante o período da pesquisa, entre 29 de outubro a 7 de novembro.

O levantamento sobre o modelo ideal de trabalho foi realizado via e-mail, com a participação de 11.601 trabalhadores contatados a partir do banco de dados do Vagas.com. Foi então então que o modelo híbrido recebeu a aceitação de 42% dos trabalhadores. 

Em contrapartida, o trabalho presencial foi indicado por 32%, enquanto apenas 26% deu preferência exclusivamente ao modelo remoto. De acordo com a especialista em marketing do Vagas.com, Ludmila Seki, a pesquisa consolidou o modelo híbrido como o ‘queridinho’ entre os trabalhadores

Ela reconhece que desde o início da pandemia, quando este formato passou a vigorar, foi possível identificar essa predileção pelos trabalhadores, bem como a possibilidade de conciliar os interesses profissionais de ambas as partes.

“Essa flexibilidade foi notada rapidamente e despertou uma grande motivação para muita gente, que jamais pensou que poderia ajustar agendas de acordo com a demanda”, declarou.

A adequação no formato de trabalho também foi importante para evidenciar a necessidade de se dirigir ao local de trabalho, ainda que com uma frequência reduzida. Para Ludmila, o trabalho híbrido veio para ficar e já se tornou um diferencial competitivo com o poder de mostrar a maneira como as empresas atuam e se atentam às necessidades e desejos dos trabalhadores.

O levantamento também questionou a quantidade de dias ideal para se trabalhar na empresa. Os trabalhadores entrevistados apontaram que a preferência está em três dias por 41%, seguido por dois dias para 33%, quatro dias (14%), um dia para 5,6% e 6,4% para outros.

Entre os principais motivos para a preferência ao modelo de trabalho de híbrido, estão:

  • Manutenção do relacionamento presencial com outras pessoas da empresa (31%);
  • Flexibilidade para adequar o trabalho a outras atividades domésticas (16,8%);
  • Evitar a locomoção diária até o trabalho (14%);
  • Ganhar tempo para outras atividades pessoais (8,8%);
  • Ter maior foco e concentração (7%);
  • Poder cuidar de filhos ou outros familiares em alguns dias (5,5%).

Enquanto isso, as justificativas apresentadas para a preferência ao trabalho remoto, são:

  • Trabalhar em empresas de qualquer região no Brasil e exterior (27,5%);
  • Evitar a locomoção até o trabalho (14%);
  • Cuidar de filhos e outros familiares e ganhar tempo para outras atividades pessoais (11,75% em cada);
  • Ter flexibilidade para adequar o trabalho a outras atividades domésticas (10,4%).

E para quem prefere o modelo presencial, os motivos são:

  • Ter maior foco e concentração (37%);
  • Ter relacionamento presencial com outras pessoas da empresa (32,6%);
  • Ter um ambiente adequado para trabalhar – móveis e infraestrutura (16,4%);
  • Sair do ambiente doméstico (4,3%).

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.