Auxílio gás atrasa votação no Congresso mesmo com critérios de prioridades

O auxílio gás do Governo Federal que, a princípio, parecia já estar definido e pronto para começar a ser pago, teve um impasse recente. A última etapa da votação que dispõe sobre o tema foi adiada a pedido do 1º vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos.

Auxílio gás atrasa votação no Congresso mesmo com critérios de prioridades
Auxílio gás atrasa votação no Congresso mesmo com critérios de prioridades. (Imagem: FDR)

A votação do Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) nº 42/21, tem o intuito de abrir um crédito especial de R$ 300 milhões para viabilização do auxílio gás. Ainda em 2021, o programa terá a capacidade de atender a 5,5 milhões de famílias.

Mas de acordo com o parlamentar, ainda falta um consenso quanto à análise dos vetos presidenciais que deixam a pauta estagnada no Congresso. 

Foi então que o Governo decidiu apelar ao Congresso Nacional votar a caráter de urgência as propostas de crédito especial para o orçamento deste ano. Contudo, o pedido do Governo Federal não obteve o êxito desejado entre os líderes. Enquanto isso, o 1º vice-presidente foi atendido, adiando a votação para a próxima sexta-feira, 17. 

Na oportunidade, Marcelo Ramos, disse que, por conta da relevância social do vale gás, houve a tentativa de diálogo junto à oposição na votação da matéria. “A oposição concordou com a votação específica do PLN do vale gás.

Infelizmente, não houve acordo com os partidos da base em relação a esta matéria e aos vetos. Agora, só votaremos todos os PLNs se forem votados os vetos”, declarou o parlamentar.

Enquanto isso, o deputado Carlos Zarattini, afirmou ser necessário ampliar o alcance do PL para 24,5 milhões de famílias ao invés de 5,5 milhões, conforme estabelecido no texto. Para o deputado, a Petrobras eleva o lucro em detrimento das famílias mais pobres. 

Já o deputado, General Peternelli manifestou o apoio ao vale gás e ressaltou que a iniciativa deveria ser incorporada ao Auxílio Brasil. O auxílio gás é destinado aos cidadãos de baixa renda que enfrentam dificuldades em arcar com as despesas da compra de um botijão de gás de 13 kg. 

A população de baixa renda terá direito ao amparo desde que cumpra os seguintes critérios:

  • Estiver inscrito no Cadastro Único (CadÚnico);
  • Apresentar renda mensal per capita de até meio salário mínimo, R$ 550;
  • Possuir da composição familiar pessoas que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Mas é importante destacar que a preferência será concedida às famílias compostas por mulheres que foram vítimas de violência doméstica e que estão sob o monitoramento de medidas protetivas de urgência. Essas pessoas terão direito ao benefício durante o período de cinco anos, caso continuem enquadradas nos critérios de elegibilidade.

O auxílio gás ainda pagará 50% do valor médio do gás liquefeito de petróleo (GLP) a cada dois meses. Deverá ser considerada a média mais recente publicada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) na época em que os pagamentos começarem.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.