8ª parcela do auxílio emergencial pode acontecer em breve para todo Brasil

Governo federal solicita recursos para uma nova rodada do auxílio emergencial. Nessa semana, o presidente Jair Bolsonaro enviou um pedido de R$ 2,8 bilhões em crédito especial para o Congresso Nacional. O valor seria destinado para o financiamento de uma nova rodada do benefício criado na pandemia.

publicidade
8ª parcela do auxílio emergencial pode acontecer em breve para todo Brasil (IMAGEM: FDR)
8ª parcela do auxílio emergencial pode acontecer em breve para todo Brasil (IMAGEM: FDR)

Após meses tentando acabar com o Bolsa Família e com o Auxílio Emergencial, o governo federal parece ter voltado atrás em sua decisão. Mesmo com a concessão do Auxílio Brasil, Bolsonaro acaba de solicitar recursos para financiar uma oitava rodada do benefício emergencial.

Auxílio emergencial deve voltar em 2022

No texto enviado para o Congresso, o presidente pede R$ 2,8 bilhões sem justificar o valor da quantia. Segundo fontes internas, o recurso seria destinado para a manutenção do ministério da cidadania, podendo envolver uma nova parcela do auxílio emergencial.

publicidade

Até o momento não há maiores detalhes sobre o assunto, mas a previsão é de que até o fim de dezembro a medida seja publicamente esclarecida.

“A abertura visa incluir nova categoria de programação no orçamento vigente, com o objetivo de viabilizar, no âmbito da Administração Direta do Órgão, o custeio do ‘Auxílio Emergencial de Proteção Social a Pessoas em Situação de Vulnerabilidade, Devido à Pandemia da Covid-19’. O crédito será financiado pelo cancelamento de dotações orçamentárias”, diz a nota da Secretaria Geral.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Quem deverá receber o novo auxílio emergencial?

Se manter as regras de concessão aplicadas em 2021, o governo deverá beneficiar os cidadãos que cumprirem os seguintes requisitos:

  • A renda por pessoa da família não pode passar de até meio salário mínimo (R$ 550)
  • A renda total do grupo familiar deve ser de até três salários mínimos (R$ 3.300)
  • Só será permitida o pagamento de uma cota por família
  • Ter mais de 18 anos
  • Não ter emprego formal
  • Não ter tido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019 ou rendimentos isentos acima de R$ 40 mil naquele ano
  • Não ser dono de bens de valor superior a R$ 300 mil no fim de 2019
  • Estão excluídos os residentes médicos, multiprofissionais, beneficiários de bolsas de estudo, estagiários e similares
  • Ficam de fora também as pessoas que receberam qualquer tipo de benefício previdenciário, assistencial ou trabalhista ou de transferência de renda do governo em 2020, com exceção do Bolsa Família e abono salarial.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!