Bitcoin e Criptomoedas: este é o investimento certo para você? Tire suas dúvidas!

O investimento em Bitcoin e criptomoedas tem despertado grande interesse dos brasileiros ultimamente. Ouvimos relatos de pessoas que tiveram ganhos extraordinários, outros de pessoas que perderam tudo e ainda resta muita confusão sobre o tema. Esclareça suas dúvidas para começar a investir com segurança.

O que é bitcoin e criptomoeda

Criptomoedas são um tipo de dinheiro totalmente digital e não são reguladas por nenhum governo, empresa ou banco e, por esta razão, são chamadas de descentralizadas.

Elas podem ser usadas da mesma forma que o dinheiro físico, ou seja, podem servir como meio de troca nas transações comerciais, mas também podem ser usadas para a preservação do poder de compra no futuro (como investimento) e também como referência para precificação de produtos e serviços.

Apesar do Bitcoin ser a mais comum, há diversas outras moedas digitais em circulação no mercado.

Existe uma oscilação de preço muito alta e frequente (volatilidade) no valor das criptomoedas. O preço do Bitcoin, por exemplo, que é uma das criptos menos voláteis, varia duas vezes mais que o Ibovespa – principal índice da Bolsa brasileira – e, quatro vezes mais que o ouro.

Isso acaba gerando uma grande incerteza para os investidores e pode acarretar perdas bem expressivas para os inexperientes.

Perfil de investimento e pontos de atenção

Um grande perigo que tenho percebido recentemente é que há um grande número de pessoas que começaram seus primeiros investimentos a partir das criptomoedas, sem sequer montar uma reserva para emergências antes. E, pior ainda, concentrando 100% dos investimentos nesse tipo de investimento altamente volátil.

Conforme já expliquei em artigos anteriores aqui na coluna, antes de começar a investir é importante ter uma reserva para lidar com imprevistos com tranquilidade e também alinhar seus objetivos de investimentos, considerando as seguintes premissas:

  • prazo esperado para resgate dos recursos investidos;
  • risco que o investidor está disposto a correr;
  • rentabilidade esperada, que será uma consequência dos parâmetros de prazo e risco definidos anteriormente.

Para objetivos de curto prazo (até 1 ano), não é possível concentrar os investimentos em ativos de alta volatilidade, pois pode não haver tempo suficiente para recuperação dos preços caso haja uma grande desvalorização dos títulos de investimento, ocasionando prejuízos financeiros para o investidor. O mesmo pode acontecer com os objetivos de médio prazo (até 3 anos).

No entanto, ainda que você esteja investindo vislumbrando o longo prazo, como aposentadoria ou a faculdade dos seus filhos, para minimizar riscos de perda de patrimônio, é importante nunca concentrar todos os seus investimentos em um único tipo, mas sempre diversificar.

Além disso, é importante que você descubra qual é o seu perfil de investidor, respondendo ao questionário de suitability da sua corretora, e construa a sua carteira de investimentos de forma adequada a esse perfil.

Conversar sobre investimentos com amigos é bom, mas sempre tenha em mente que a realidade financeira dos seus amigos e os objetivos deles podem ser totalmente diferentes dos seus. Por isso, nunca baseie sua estratégia em opinião de amigos, mas busque estudar e invista em conhecimento.

Para investidores mais conservadores ou até mesmo moderados, o recomendado é que as criptomoedas correspondam a no máximo 5% do total de investimentos.

O restante deve ser alocado em estratégias com menor volatilidade, sempre respeitando a tríade prazo x risco x rentabilidade esperada.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Karem Ochsendorf
Formada em Engenharia Elétrica com ênfase em Telecomunicações, e graduanda em Filosofia. Atualmente, pesquisa e trabalha como Educadora Financeira com mais de 10 anos de experiência no mercado. No FDR, possui sua própria coluna com dicas e orientações sobre como lidar com as finanças de maneira positiva.