Dólar na máxima do mês: o que está impactando a moeda americana?

Nesta segunda-feira (29), o dólar à vista fechou com alta de 0,27%, sendo negociado a R$ 5,6114. Este foi o maior patamar desde 1º de novembro (R$ 5,6712). Os investidores seguem atentos aos desdobramentos da variante do coronavírus, o ômicron. O cenário fiscal local também segue no radar.

Dólar na máxima do mês: o que está impactando a moeda americana?
Dólar na máxima do mês: o que está impactando a moeda americana? (Imagem: Montagem/FDR)

Durante a segunda, a moeda norte-americana variou entre R$ 5,798 (redução de 0,29%) e R$ 5,641 (elevação de 0,80%). Na última sexta-feira (26), o dólar tinha aumentado 0,55%, a R$ 5,5961.

O que está impactando o dólar

Nesta segunda, houve uma correção nos mercados depois do impacto maior na sexta-feira — quando os ativos mundiais foram afetados pela descoberta da nova variante do coronavírus. A notícia relativa ao covid-19 fez com que governos realizassem ações restritivas de viagens.

Por conta deste cenário, aumentou a atenção sobre um possível aumento de juros nos Estados Unidos. Com isso, haveria a tendência de subir os retornos proporcionados pelos títulos do Tesouro dos EUA. Consequentemente, o dólar se tornaria mais atraente.

Na perspectiva local, os investidores seguem atentos à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios no Senado. O governo tem visto essa proposta como forma de viabilizar o programa Auxílio Brasil.

A PEC prevê o adiamento de pagamento de dívidas do governo já reconhecidas pela Justiça. Além disso, o texto sugere mudança no cálculo do teto de gastos.

Nessa segunda, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) se posicionou a favor da proposta indicada pelo governo. Ele revelou que a votação deve acontecer no plenário na próxima quinta-feira (2).

Outra notícia que afetou a cotação da moeda brasileira foi que, segundo a Reuters, o governo não descarta a possibilidade de utilizar o Orçamento de Guerra para viabilizar o Auxílio Brasil. Esta opção seria em caso de não aprovação da PEC dos Precatórios.

No ano passado, o governo já havia lançado mão do Orçamento de Guerra. O objetivo tinha sido de lidar com os impactos sanitários e econômicos da pandemia de covid-19. Essa medida prevê o descumprimento de parâmetros e limitações fiscais.

De modo geral, o mercado segue atento às ameaças de rompimento do teto de gastos. As preocupação sobre as contas públicas no pais estão presentes entre os investidores.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.