Nova alta da gasolina tem reajuste de 2,25% e postos gaúchos cobram R$ 8/litro

Na última semana, o preço médio da gasolina nos postos pelo Brasil cresceu 2,25%, atingindo R$6,710 o litro, segundo dados divulgados nesta segunda, 8, pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). O valor mais alto foi detectado no Rio Grande do Sul, com o litro custado em média R$7,999.

O litro da gasolina acima dos R$7 foi encontrado em postos de 20 estados:

  • Acre (R$ 7,600)
  • Alagoas (R$ 7,198)
  • Amazonas (R$ 7,350)
  • Bahia (R$ 7,299)
  • Ceará (R$ 7,190)
  • Distrito Federal (R$ 7,499)
  • Espírito Santo (R$ 7,090)
  • Goiás (R$ 7,399)
  • Mato Grosso (R$ 7,230)
  • Minas Gerais (R$ 7,599)
  • Pará (R$ 7,250)
  • Paraná (R$ 7,300)
  • Pernambuco (R$ 7,439)
  • Piauí (R$ 7,299)
  • Rio de Janeiro (R$ 7,749)
  • Rio Grande do Norte (R$ 7,299)
  • Rio Grande do Sul (R$ 7,999)
  • Rondônia (R$ 7,030)
  • São Paulo (R$ 7,399)
  • Tocantins (R$ 7,129)

Este aumento é decorrente do último reajuste no valor da gasolina e do diesel determinado pela Petrobras e que está valendo desde o último dia 26 de outubro. 

Este reajuste fez com que o preço médio do litro do diesel subisse 2,45% nos postos do país na última semana, batendo R$5,339, em média. O maior preço foi encontrado em Cruzeiro do Sul, no Acre, com o litro custando R$6,700.

Já o valor médio do litro do etanol, subiu 4,5%, indo para R$5,294. O maior preço médio foi detectado em Bage, no Rio Grande foi Sul, com preço máximo de R$7,899.

Os altos preços estão estimulando os consumidores brasileiros a se dirigirem a Argentina para abastecer o carro com um preço, mais ou menos, a metade do que é cobrado no Brasil.

O botijão de gás de cozinha (GLP), por sua vez, permaneceu estável fechando a semana em R$102,48.

Novas determinações para venda de combustível

Na última quinta, 4, a ANP promoveu mudanças nas regras de comercialização de combustíveis em todo o Brasil.

Entre as mudanças mais importantes que foram aprovados está a liberação de venda via delivery da gasolina comum e do etanol e a maneira que os preço são mostrados nas bombas.

A partir de agora, as bombas devem exibir o preço com apenas duas casas decimais e não mais três.

A ANP explicou que estas mudanças começaram a ser debatidas após a greve dos caminhoneiros em 2018 e passaram por consulta e audiência públicas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.