Governo trabalha em MP que pode reduzir valor do gás de cozinha e diesel

A equipe do Palácio do Planalto está empenhada na criação de uma Medida Provisória (MP) que será capaz de reduzir o valor do gás de cozinha e do diesel. Apesar de a gasolina não ser incluída nesta iniciativa tendo em vista o valor expressivo do produto, sabe-se que o governo deve criar uma espécie de fundo de estabilização para possibilitar a nova medida. 

Governo trabalha em MP que pode reduzir valor do gás de cozinha e diesel
Governo trabalha em MP que pode reduzir valor do gás de cozinha e diesel. (Imagem: FDR)

Fontes do Governo Federal ouvidas pelo blog do G1 afirmam que possíveis fontes de financiamento são:

  • Royalties de petróleo;
  • Dividendos pagos ao Tesouro pela Petrobras;
  • Fundo social administrado pela Pré-Sal Petróleo (PPSA), braço direito da União na gestão de exploração do óleo e gás;
  • Cide Combustíveis, contribuição incidente sobre a gasolina.

A elaboração do texto deve ser concluída em breve pela Casa Civil do Desenvolvimento Regional e de Minas e Energia. A MP que poderá reduzir o valor do gás de cozinha e do diesel é resultado de um pedido do presidente da República, Jair Bolsonaro.

O chefe do Executivo Federal tem comentado com auxiliares que o maior problema enfrentado pelo país hoje, é a alta nos preços dos combustíveis. 

A intenção de Bolsonaro em reduzir o preço do diesel também está relacionada ao amparo dos caminhoneiros. A categoria faz ameaças constantes de greve caso não aconteça um reajuste no preço do combustível.

Bolsonaro também disse estar incomodado com as piadas que tem circulado pela internet em alusão aos preços da gasolina. Ele acredita que será um ponto negativo durante o período eleitoral em 2022.

O desejo do presidente era que o fundo de estabilização reduzisse o preço não só do diesel, mas de todos os combustíveis. Porém, as equipes técnicas alegam que ainda não existem recursos para promover uma medida tão ampla.

Além do mais, não é tão simples explicar o uso de recursos públicos para amenizar o preço da gasolina, ao contrário do gás de cozinha e do diesel. 

Vale mencionar que mesmo com os preços elevados no país, nota-se uma defasagem nos valores cobrados pelos combustíveis em comparação ao mercado internacional.

Embora a gasolina tenha passado por diversos reajustes ao longo do ano, que já superam a margem de 40%, a defasagem é de, aproximadamente, 20%. Enquanto isso, o reajuste do diesel foi de 38% e do gás de cozinha, 36%.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.