Auxílio Brasil: Governo pode evitar o furo no teto de gastos? Entenda

Pontos-chave
  • O governo busca alterar as regras do teto fiscal para viabilizar o Auxílio Brasil;
  • Especialistas entendem que o governo poderia ter tomado decisões diferentes;
  • O novo programa social deve pagar um valor mensal de R$ 400.

Para o financiamento do novo programa social do governo, o Auxílio Brasil, o governo considera a possibilidade de driblar o teto de gastos. Diante deste cenário, passou a existir a discussão se o governo pode evitar o furo no teto de gastos.

Auxílio Brasil: Governo poderia ter evitado o furo no teto de gastos? Entenda
Auxílio Brasil: Governo poderia ter evitado o furo no teto de gastos? Entenda (Imagem: Montagem/FDR)

Atualmente, a Câmara dos Deputados analisa a Câmara dos Deputados analisa uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera o teto de gastos para viabilizar o programa Auxílio Brasil. Esse projeto estabelece um limite — a cada exercício financeiro — para as dívidas com precatórios.

O governo busca diminuir o montante de precatórios a ser pago em 2022. Dessa forma, com o restante do dinheiro, seria possível financiar o Auxílio Brasil.

A ideia tem sido de pagar, para cada família, pelo menos, R$ 400 mensais. Este novo programa social foi desenvolvido com o intuito de substituir o Bolsa Família.

Além de limitar o pagamento de precatórios, a proposta muda a regra de correção do teto de gastos. No modelo atual, há como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulada em 12 meses até junho.

A sugestão é de que o IPCA fosse apurado entre janeiro e dezembro. A alteração no cálculo também impacta o pagamento dos precatórios, pois o governo sugere restringir o aumento desses gastos pelo mesmo índice.

Por conta do cenário atual, surgiram discussões se o governo poderia ter realizado outras ações, em vez de propor a mudança na regra fiscal — que trava o aumento dos gastos.

O governo busca oferecer o Auxílio Brasil no lugar do Bolsa Família
O governo busca oferecer o Auxílio Brasil no lugar do Bolsa Família (Imagem: Montagem/FDR)

Governo pode evitar o furo no teto de gastos para viabilizar o Auxílio Brasil?

Conforme analisado pelo Estadão, o presidente Jair Bolsonaro teve mais de um ano para revisar as despesas. Assim, seria possível elaborar um plano de cortes para financiar um benefício mais alto.

Um levantamento do Estadão/Broadcast mostra que desde o começo do governo — em 2019 — houve, pelo menos, oito tentativas de driblar o teto de gastos. Além disso, existiram outros cinco dribles efetuados. As manobras no teto resultaram em ampliação de gastos fora do Orçamento.

Segundo técnicos do Ministério da Economia, o pagamento do Auxílio Brasil poderia ser de R$ 300 sem furar o teto. Desse modo, o Orçamento deste programa social seria de aproximadamente R$ 60 bilhões ao ano.

Apesar disso, Bolsonaro rejeitou essa possibilidade — e estabeleceu um pagamento de R$ 400. O valor deste benefício maior chega a R$ 87 bilhões.

Ao Estadão, o economista João Prates Romero, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), afirma que, na teoria, seria possível realizar dentro do teto — se não fossem os recursos para o Ministério da Defesa, as emendas, entre outros.

De forma prática, o economista afirma que isso não ocorreu por conta do poder político e interesses dos envolvidos.

Se houvesse uma revisão com antecedência da regra, Romero acredita que seria evitada a situação atual. Para essa análise, ele considera que já se sabia que o Bolsa Família tinha defasagem.

A professora do Insper, Laura Karpuska, alega que faltou priorização do Orçamento. Para ela, o modo como foi realizada a alteração no teto camuflou a discussão — como se fosse uma condição para implementar os programas governamentais.

Economistas afirmam que drible no teto de gastos causará aumento da inflação

Segundo economistas consultados pelo Jornal Nacional, o governo decidiu pelos caminhos errados para buscar viabilizar os novos programas sociais. Para eles, os artifícios escolhidos pelo governo — para obter dinheiro para o Auxílio Brasil — anularão o benefício.

Argumento é que as medidas governamentais alimentam a inflação. Como resultado, haveria aumento de juros. As famílias mais pobres tendem a ser as mais afetadas.

De acordo com os especialistas, para disponibilizar o auxílio, não precisava desrespeitar o teto de gastos. Do mesmo modo, não havia necessidade de deixar de pagar as dívidas jurídicas.

Os economistas acreditam que o governo deveria ter cortado os gastos com emendas do Orçamento — que não possuem emergência.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.