CPI da COVID-19 propõe criação de um auxílio financeiro para órfãos na pandemia

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI da COVID-19 foi apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL). O texto compõem um Projeto de Lei (PL) que visa criar uma espécie de auxílio financeiro para órgãos da Covid-19.

Serão amparados crianças e adolescentes que perderam os pais devido aos efeitos da pandemia da Covid-19, que teve início em meados de março de 2020 no Brasil. A intenção é pagar uma indenização no valor de um salário mínimo para os jovens que perderam o pai, a mãe ou outro responsável legal em virtude da doença.

Considerando que se trata de um PL, o texto precisa passar pela análise do Congresso Nacional, se receber um parecer positivo dos parlamentares da Casa, aí sim terá validade. Portanto, a votação deve ser feita tanto pela Câmara dos Deputados quanto pelo Senado Federal. 

O relatório reforça a necessidade de garantir algum amparo, sobretudo financeiro, aos familiares das vítimas da Covid-19. Isso porque, em boa parte dos lares, essas pessoas que foram a óbito eram os provedores e responsáveis pela família. 

Se o projeto for aprovado e sancionado, o auxílio financeiro será liberado retroativamente à data do óbito. Além do mais, a quantia será proporcional ao número de órfãos deixados, se limitando a três salários mínimos, ou seja, três órfãos por família. 

Caso o texto seja mantido como está, o órfão terá direito a receber o auxílio financeiro até completar 21 anos de idade. Existe a possibilidade de ter o benefício estendido até os 24 anos, caso o jovem esteja cursando o ensino superior.

Vale mencionar que o auxílio financeiro seria submetido às correções monetárias no mesmo patamar da Previdência Social. Os pagamentos seriam responsabilidade do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que contaria com o apoio da Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência (Dataprev) para operacionalizar os depósitos do auxílio financeiro dentro de 30 dias após a aprovação do projeto. 

Além do mais, o PL do auxílio financeiro também estabelece que a pensão por morte viabilizada ao dependente do segurado do INSS ou de servidor público federal, seja de 100% do valor da aposentadoria, se a morte tiver sido ocasionada pela Covid-19.

Por outro lado, não teriam direito ao benefício aqueles que já recebem pensão por morte, independente do regime, ou quando o órfão tiver uma renda familiar superior a três salários mínimos. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.