Sobem reclamações de empréstimo sem consentimento dos aposentados e pensionistas

O empréstimo consignado é visto como a opção mais vantajosa do mercado, pelos juros menores e desconto direto no salário pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). No entanto, a linha de crédito oferecida para aposentados e pensionistas da autarquia tem sido motivo de dor de cabeça. 

Sobem reclamações de empréstimo sem consentimento dos aposentados e pensionistas
Sobem reclamações de empréstimo sem consentimento dos aposentados e pensionistas. (Imagem: Marcos Rocha/ FDR)

Isso porque, o número de reclamações de empréstimo consignado concedido sem o consentimento dos segurados do INSS é enorme.

As informações são da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), vinculada ao Ministério da Justiça e que possui duas bases de dados de reclamações dos consumidores brasileiros.

A primeira é o site consumidor.gov.br, e a segunda é o Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec), que hoje integra 26 Procons estaduais, o Distrito Federal e 604 Procons municipais.

Estes são os principais amparos aos quais o consumidor pode recorrer caso seja surpreendido por descontos sem consentimento na folha de pagamento. 

É importante explicar que, boa parte das fraudes aplicadas em torno do empréstimo consignado ocorrem por meio do vazamento de dados. No entanto, nem os bancos, o INSS ou a Dataprev assumem a responsabilidade nessa hora.

Para se ter uma amplitude do problema, no período entre janeiro a setembro de 2020, foram registradas 42.508 queixas através do portal consumidor.gov. 

As queixas se referem tanto a impasses no empréstimo consignado quanto no cartão de crédito consignado de aposentados e pensionistas do INSS. No mesmo período, mas em 2021, as reclamações saltaram para 81.356, o correspondente a 91%. Somente no Sindec, as reclamações feitas pelo público geral sobre o empréstimo consignado tiveram um aumento de 172%.

Ao fazer uma análise das reclamações junto ao Banco Central, é preciso fazer a busca por assunto, reclamações sobre ofertas ou prestação de informações referentes ao empréstimo consignado sem consentimento ou outra maneira inadequada. Essa é a lista das reclamações que ficaram em primeiro lugar no segundo trimestre deste ano, com 4.233 registros. 

É o caso de João Eurípedes Mundim, que recebeu depósitos referentes a um empréstimo consignado sem consentimento por, pelo menos, cinco vezes. O aposentado contou sobre a burocracia na hora de cancelar os contratos que ele nem chegou a assinar e que foram solicitados pelo Procon.

“Você liga, cai em musiquinha. Leva 45 minutos para atender e não atende. Teve banco que demorei 20 dias para devolver o dinheiro. Agora, recentemente, um outro banco depositou R# 1 mil reais na minha conta sem minha autorização. Eu não consegui falar. Liga e não consegue. Levei no Procon”, afirmou em entrevista ao G1.

Ele contou que foram longos dois meses de tentativas após conseguir contato com o Procon e com a instituição financeira. Foi quando ele conseguiu um contrato com a foto da identidade dele e uma assinatura falsa, gerando ainda mais revolta.

Vale ressaltar as reclamações em torno da insistência dos bancos que ligam incessantemente oferecendo o empréstimo consignado, aborrecendo os segurados e deixando-os cada vez mais insatisfeitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.