Cartão Futuro: Jovens com deficiência e egressos de unidades prisionais ganham chances estudar e trabalhar

Governo do Paraná lança novo projeto social para jovens. O gestor, Carlos Massa Ratinho Junior, sancionou o PL que consolida o Cartão Futuro. Trata-se de uma política pública que objetiva garantir a inclusão dos adolescentes no mercado de trabalho através de parceria com grandes empresas.

Com a pandemia do novo coronavírus, diversas políticas públicas sociais e trabalhistas passaram a ser implementadas no Brasil. Especificamente na região do Paraná, os jovens poderão se vincular ao Cartão Futuro, que funciona como uma porta aberta no mercado de trabalho.

Sobre o Programa Cartão Futuro

O projeto permite que o empregador mantenha o contrato com um aprendiz de 21 anos através da subvenção econômica no valor de R$ 300.

Havendo a contratação de um menor aprendiz com deficiência, egresso de unidades prisionais, egresso do Sistema de Atendimento Socioeducativo ou que estejam cumprindo medidas socioeducativas, a restituição é de R$ 450 em até 24 meses.

Isso significa dizer que as empresas passaram a ganhar em cima dessas contratações, como uma espécie de incentivo para a entrada dos jovens deficientes no mercado de trabalho. O tempo mínimo de contrato é de ao menos 60 dias após o pagamento da última parcela da subvenção.

É preciso ainda que o contratante se responsabilize pelas entrevistas com o aprendiz e garanta seu desenvolvimento dentro da empresa. De modo geral, tem direito a participar todos os jovens de 14 a 21 anos.

“A intenção é atender o primeiro emprego, aquele jovem que quer entrar no mercado de trabalho. Ou seja, pretende estudar e trabalhar, ter uma oportunidade para garantir uma renda a mais para a família”, destacou Ratinho Junior. “Neste momento de pandemia é algo emergencial, mas quando voltar à normalidade pretendemos estender para que possa atingir o maior número de jovens paranaenses. Será o maior programa de primeiro emprego do Brasil”, afirmou o governador.

Regras para participação dos estudantes

O aprendiz precisa comprovar estar em uma situação de vulnerabilidade, com sua família tendo renda mensal per capita de até meio salário mínimo.

É necessária também a vinculação no Cadastro Único de Assistência Social, estar matriculado em uma rede de ensino fundamental, médio ou curso técnico.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA