Guedes diz que para início do Auxílio Brasil, Poderes terão que cooperar

O ministro da Economia, Paulo Guedes, declarou que precisa do apoio dos Poderes para abrir espaço no Orçamento para que o Auxílio Brasil possa vigorar. Segundo Guedes, é necessária a aprovação da PEC dos Precatórios e a Reformulação do Imposto de Renda.

publicidade
Guedes diz que para início do Auxílio Brasil, Poderes terão que cooperar
Guedes diz que para início do Auxílio Brasil, Poderes terão que cooperar (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro Paulo Guedes participou do evento da Caixa Econômica Federal no Palácio do Planalto na última segunda-feira (27). Durante a ocasião, aproveitou para falar sobre a aprovação do Auxílio Brasil.

Segundo Guedes é necessária a cooperação entre Executivo, Legislativo e Judiciário para que a da PEC dos Precatórios e a Reformulação do Imposto de Renda sejam aprovadas. Com isso, será possível conseguir “espaço fiscal” e “ fonte de recursos”.

publicidade

“O reforço do Auxílio Brasil exige a cooperação dos Poderes. Precisamos do Congresso, da interpretação do Supremo Tribunal federal (STF)”, declarou Guedes durante o evento da Caixa no Palácio do Planalto.

O Auxílio Brasil é a aposto do atual governo para a reeleição de 2022. Além disso, visa substituir o programa assistencial Bolsa Família criado pelo ex-presidente Lula (PT), principal concorrente do próximo ano.

A ideia é que o Bolsa Família seja ampliado no número de beneficiários e na média de pagamento. Atualmente, o programa contempla 14,6 milhões de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza.

Segundo o Ministro da Cidadania, João Roma, a projeção é que mais 2 milhões de famílias sejam beneficiadas com a ampliação. Dessa maneira, os que já são contemplados pelo Bolsa Família farão apenas uma migração automática.

O Bolsa Família paga valores variáveis aos beneficiários, conforme a composição familiar. Porém, a média de pagamento é de R$ 190. A proposta do governo é ampliar essa média para R$ 285 ou R$ 300. Para isso, novos benefícios serão criados e irão substituir os que hoje vigoram:

  • Benefício Primeira Infância: pago às famílias com crianças entre zero e 36 meses incompletos;
  • Benefício Composição Familiar: pago às famílias com jovens até 21 anos;
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza: complemento financeiro para as famílias que recebem benefícios, mas que mesmo assim, a renda familiar per capita não supera a linha de pobreza extrema;
  • Bolsa de Iniciação Científica Junior: 12 parcelas mensais pagas a estudantes beneficiários do Auxílio Brasil com bom desempenho em competições acadêmicas e científicas;
  • Auxílio Criança Cidadã: benefício pago aos chefes de família que consigam emprego e não encontrem vagas em creches para deixar os filhos de 0 a 48 meses;
  • Auxílio Inclusão Produtiva Rural: pago por até 36 meses aos agricultores familiares inscritos no CadÚnico;
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana: para beneficiários do Auxílio Brasil que comprovem que têm emprego com carteira assinada;
  • Benefício Compensatório de Transição: pago aos atuais beneficiários do Bolsa Família que perderem parte do valor recebido por conta das mudanças trazidas pelo novo programa;
  • Auxílio Esporte Escolar: destinado a estudantes entre 12 e 17 anos que sejam membros de famílias beneficiárias e que se destacarem nos Jogos Escolares Brasileiros.
publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.