Pais solteiros ganham direito ao auxílio emergencial em dobro; entenda detalhes

Na última semana, por meio de uma suspensão ao veto do presidente Jair Bolsonaro, foi aprovada a garantia de duas cotas de pagamento do auxílio emergencial ao chefe da família monoparental. Independente de ser ele homem ou mulher.

publicidade
Pais solteiros ganham direito ao auxílio emergencial em dobro; entenda detalhes
Pais solteiros ganham direito ao auxílio emergencial em dobro; entenda detalhes (Foto: FDR)

Esse novo pagamento tem a intenção de ajudar as famílias a enfrentarem a pandemia causada pelo novo coronavírus.

Hoje, as famílias monoparentais têm direito de receber o auxílio de R$ 250. Mas, se a família tiver como chefe de família uma mulher, o benefício passa a ser de R$ 375

publicidade

No ano passado, essas recebiam o dobro das parcelas, ou seja, já recebiam as duas cotas do auxílio emergencial como define a lei de agora.

Assim, com essa nova lei, os pais, que são chefes de famílias monoparentais têm o direito ao recebimento das duas cotas do auxílio. 

Existem algumas exceções como no caso do pai e a mãe não formarem uma família, mas indicarem o mesmo dependente no cadastro. Nessa caso será considerado o registro feito pela mulher.

O critério de priorização não depende do período do cadastro para o recebimento do auxílio emergencial. Com isso, mesmo que o homem tenha feito o cadastro antes, em caso de divergência a mulher será privilegiada.

Esse texto é de autoria da deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS). Segundo Melchionna, que tem como intuito é priorizar a mulher no sistema do auxílio emergencial. Essa Lei surgiu após um veto dos deputados e senadores no início de junho que buscava a mesma priorização.

Além disso, a Lei 14.171/21 também determina que a Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 atue diante de denúncias de mulheres envolvendo a retirada ou o recebimento do auxílio emergencial por outra pessoa.

publicidade

Ela deve garantir ainda o pagamento das parcelas que foram subtraídas por conta de declaração de informações falsas. O valor deve ser pago de forma retroativa, com base no que tem direito.

“A partir de agora, mulheres que foram lesadas e tiveram o direito roubado por pais que não cuidam dos filhos poderão reaver o auxílio emergencial roubado como violência patrimonial”, declarou a deputada autora da lei Fernanda Melchionna.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.