Bolsa Família reformado vai pagar R$ 300 por mês aos beneficiados

Pontos-chave
  • Bolsa Família será reformulado a partir de setembro;
  • Governo anuncia aumento nas mensalidades do projeto;
  • Cadastro passará a ser digitalizado.

Governo federal anuncia modificações no Bolsa Família. Mesmo com a concessão do auxílio emergencial, o ministério da cidadania está trabalhando para reformular seu principal projeto social. Segundo a agenda pública, a reforma deve ocorrer a partir do mês de agosto, reajustando as parcelas dos beneficiários para R$ 300.

Bolsa Família reformado vai pagar R$ 300 por mês aos beneficiados (Imagem: FDR)
Bolsa Família reformado vai pagar R$ 300 por mês aos beneficiados (Imagem: FDR)

O novo Bolsa Família tem sido assunto em toda a imprensa nacional. De acordo com os últimos informes concedidos pelo presidente Jair Bolsonaro, a mensalidade do projeto deve aumentar para R$ 300.

Além disso haverá uma ampliação na faixa mínima de entrada para R$ 100 e digitalização do cadastro.

Conheça o novo Bolsa Família

A ideia de readaptar o Bolsa Família vem sendo debatida desde 2020, quando o atual governo tentou implementar o programa Renda Brasil e Renda Cidadã. Ambas as propostas, no entanto, não foram aplicadas sob a justificativa de falta de orçamento mediante o atual contexto da pandemia do novo coronavírus.

Suspensa a criação de novos projetos, o governo passou a estudar a possibilidade de reformular o atual Bolsa Família. A proposta foi divulgada por Bolsonaro que alegou estar implementando uma série de mudanças entre agosto e setembro deste ano.

Para o novo Bolsa Família o governo prevê a consolidação de:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
Novo Cartão de crédito queridinho do Brasil, sem anuidade e que você pode solicitar agora 34.787 pessoas já solicitaram
  • Valor do auxílio-creche mensal para cada criança seria de R$ 52,00
  • Bônus anual para o melhor aluno de R$ 200,00
  • Bolsa mensal de R$ 100,00, mais um prêmio anual de estudante científico e técnico de destaque de R$ 1.000,00
  • Renovação nas regras de entrada e saída do programa
  • Atualização nos critérios mínimos de renda para inclusão no projeto

Digitalização dos cadastros

Outra grande novidade informada por Bolsonaro foi a digitalização do processo de candidatura. A população que tiver interesse em se cadastrar no projeto deixará de recorrer aos centros de atendimento sociais de suas cidades, para fazer o auto registro por meio de um aplicativo.

A ferramenta já está sendo elaborada pelo ministério da cidadania e deve ser implementada ao longo do segundo semestre. A ideia é que a população passe a preencher um formulário digital, informando os dados de identificação pessoal e demais comprovantes de renda e residência.

Documentos necessários para cadastro Bolsa Família 2021:

  • Certidão de nascimento
  • Carteira de identidade
  • Cadastro de Pessoa Física (CPF)
  • Carteira de Trabalho
  • Título de eleitor
  • Comprovante de residência
  • Para os dependentes: certidão de nascimento e RG

Após envio, a solicitação passará pela análise da Dataprev e Ministério da Cidadania para validação dentro das regras de inclusão do projeto.

Quem tem direito ao Bolsa Família em 2021

  • Famílias extremamente pobres que têm renda mensal de até R$ 89,00 por pessoa
  • Famílias pobres que têm renda mensal entre R$ 89,01 e R$ 178,00 por pessoa
  • Famílias pobres participam do programa, desde que tenham em sua composição gestantes e crianças ou adolescentes entre 0 e 17 anos

Mensalidades do Bolsa Família em 2021

Atualmente o pagamento do projeto é dividido de acordo com abonos, o valor mínimo é de R$ 89, sendo acrescentado de acordo com as faixas abaixo que levam em consideração a situação familiar dos cadastrados:

  • Benefício Básico: Famílias em situação de extrema pobreza – R$ 89,00 mensais
  • Benefício Variável: Famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza que tenham em sua composição gestantes, nutrizes (mães que amamentam), crianças e adolescentes de 0 a 15 anos – R$ 41,00 e cada família pode acumular até 5 benefícios por mês, chegando a R$ 205,00
  • Benefício Variável Jovem: Famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza e que tenham em sua composição adolescentes entre 16 e 17 anos – R$ 48,00 por mês e cada família pode acumular até dois benefícios, ou seja, R$ 96,00
  • Benefício para Superação da Extrema Pobreza: famílias em situação de extrema pobreza. Cada família pode receber um benefício por mês – o valor é calculado a partir da renda da família

Hoje, além do valor fixo de R$ 89 cada família pode acumular outros cinco benefícios variáveis. Até mesmo por isso, não há como saber o valor exato do programa porque depende da composição familiar. A média é de R$ 192.

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.