Efeitos da COVID-19 poderão elevar desemprego até 2022, diz pesquisa

De acordo com um levantamento feito pela OTI (Organização Internacional do Trabalho),  a crise econômica causada pela pandemia do coronavírus deve se estender até pelo menos 2023. Estimulada pela alta no desemprego nos próximos dois anos. 

Efeitos da COVID-19 poderão elevar desemprego até 2022, diz pesquisa
Efeitos da COVID-19 poderão elevar desemprego até 2022, diz pesquisa (Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O cálculo da organização divulgado nesta semana, relevou uma projeção de perda de 205 milhões de empregos até o final do ano que vem. A pesquisa também mostrou que somente em 2020, cerca de 187 milhões de pessoas perderam seus empregos. 

“A pandemia de Covid 19 causou transtornos sem paralelo em todo o mundo através de seu impacto devastador na saúde pública, no emprego e na subsistência. Governos e organizações trabalhistas precisam tomar medidas para enfrentar a crise, preservar empregos e proteger a renda”, destaca a pesquisa.

Em um trecho do relatório “Emprego Global e Panorama Social: Tendências em 2021”  explica que “o crescimento do emprego projetado será insuficiente para fechar as lacunas abertas pela crise da Covid-19 por pelo menos dois anos”.

Porém, a relação entre vagas de trabalho perdidas e os empregos criados está caindo. A pesquisa estima que a “lacuna de empregos” atingirá 75 milhões neste ano, antes de cair para 23 milhões em 2022. Neste ritmo, a criação de novas vagas de emprego só deve superar o desemprego em 2023.

Pandemia no Brasil 

Segundo a OTI, a América Latina está entre as regiões mais impactadas pela crise econômica trazida pelo coronavírus. Renan Pieri, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV), disse que a razão disso foi a distribuição dos setores econômicos.

“Os países da América Latina possuem uma grande dependência do setor de comércio e serviços, dado que a indústria está em uma situação complicada, perdendo cada vez mais competitividade, e o setor agrícola gera pouco emprego”, disse.

Pieri diz que o varejo está entre os setores mais impactados pela crise econômica, o que causou grande queda nas vendas e o aumento das demissões.

Luiz Marcelo, diretor do Instituto Brasileiro de Direito Social, foi mais fundo e disse que os impactos causados pela pandemia foram sentidos mais fortemente nos países emergentes. Ele afirmou que o repasse de verbas para políticas públicas é ainda mais importante neste momento.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.