Efeitos da COVID-19 poderão elevar desemprego até 2022, diz pesquisa

De acordo com um levantamento feito pela OTI (Organização Internacional do Trabalho),  a crise econômica causada pela pandemia do coronavírus deve se estender até pelo menos 2023. Estimulada pela alta no desemprego nos próximos dois anos. 

Efeitos da COVID-19 poderão elevar desemprego até 2022, diz pesquisa
Efeitos da COVID-19 poderão elevar desemprego até 2022, diz pesquisa (Imagem: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O cálculo da organização divulgado nesta semana, relevou uma projeção de perda de 205 milhões de empregos até o final do ano que vem. A pesquisa também mostrou que somente em 2020, cerca de 187 milhões de pessoas perderam seus empregos. 

“A pandemia de Covid 19 causou transtornos sem paralelo em todo o mundo através de seu impacto devastador na saúde pública, no emprego e na subsistência. Governos e organizações trabalhistas precisam tomar medidas para enfrentar a crise, preservar empregos e proteger a renda”, destaca a pesquisa.

Em um trecho do relatório “Emprego Global e Panorama Social: Tendências em 2021”  explica que “o crescimento do emprego projetado será insuficiente para fechar as lacunas abertas pela crise da Covid-19 por pelo menos dois anos”.

Porém, a relação entre vagas de trabalho perdidas e os empregos criados está caindo. A pesquisa estima que a “lacuna de empregos” atingirá 75 milhões neste ano, antes de cair para 23 milhões em 2022. Neste ritmo, a criação de novas vagas de emprego só deve superar o desemprego em 2023.

Pandemia no Brasil 

Segundo a OTI, a América Latina está entre as regiões mais impactadas pela crise econômica trazida pelo coronavírus. Renan Pieri, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV), disse que a razão disso foi a distribuição dos setores econômicos.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Você foi selecionado para ter um cartão de crédito, sem anuidade hoje mesmo.
Faça sua aplicação!
277 pessoas solicitando no momento...

“Os países da América Latina possuem uma grande dependência do setor de comércio e serviços, dado que a indústria está em uma situação complicada, perdendo cada vez mais competitividade, e o setor agrícola gera pouco emprego”, disse.

Pieri diz que o varejo está entre os setores mais impactados pela crise econômica, o que causou grande queda nas vendas e o aumento das demissões.

Luiz Marcelo, diretor do Instituto Brasileiro de Direito Social, foi mais fundo e disse que os impactos causados pela pandemia foram sentidos mais fortemente nos países emergentes. Ele afirmou que o repasse de verbas para políticas públicas é ainda mais importante neste momento.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.