Crise da pandemia faz milhões de brasileiros sofrerem com insegurança alimentar

Uma pesquisa aponta que mais de 125 milhões de brasileiros lidam com a insegurança alimentar devido aos impactos da pandemia da Covid-19. Este montante representa quase três quintos das residências brasileiras, ou seis em cada dez casas, representado pelo percentual de 59,4% no último quadrimestre de 2020. 

Crise da pandemia faz milhões de brasileiros sofrerem com insegurança alimentar
Crise da pandemia faz milhões de brasileiros sofrerem com insegurança alimentar. (Imagem: Reprodução/R7)

Os dados apresentados provêm da pesquisa “Efeitos da pandemia na alimentação e na situação da segurança alimentar no Brasil”, realizada pelo Grupo de Pesquisa Alimento para Justiça.

Que incluem Poder, Política e Desigualdades Alimentares na Bioeconomia, em parceria com a Universidade Livre de Berlim na Alemanha, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade de Brasília (UNB).

O levantamento divulgado nesta terça-feira, 13, foi realizado entre novembro e dezembro de 2020, entrevistando cerca de dois mil brasileiros.

Durante o levantamento que priorizou o parecer de maiores de idade com base na Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (Ebia), foram feitas as seguintes perguntas: “Nos últimos três meses, os moradores tiveram preocupação que os alimentos acabassem antes de poderem comprar ou receber mais comida?”.

Caso a resposta fosse “sim”, já era considerado a insegurança alimentar em um domicílio, tendo em vista a incerteza quanto ao acesso à comida no futuro ou a redução na quantidade e qualidade dos alimentos ingeridos.

Levando estes parâmetros em conta, foi possível identificar que 59,4% dos domicílios se encontravam nesta condição no ano passado. 

Deste total, 31,7% declarou uma leve insegurança, enquanto 12,7% foi moderada e 15% grave, ou seja, este último percentual realmente enfrentou a falta de comida na mesa. 

De acordo com a coordenadora do estudo, a professora de sociologia, Renata Motta, “a preocupação de que o alimento vai acabar e ter que tomar decisões para que isso não aconteça é ter psicologicamente a fome presente, mesmo que ainda não tenha se materializado”, explicou. 

Com base em cada região, o cenário foi ainda pior no Nordeste e Norte. Neste último, 67,7% dos domicílios apresentaram insegurança alimentar.

Em contrapartida, a região Sul foi a que teve a melhor condição, embora os índices tenham apontado que mais da metade dos domicílios, ou seja, 51,6% sofriam com a insegurança alimentar.

No que compete aos parâmetros no Centro-Oeste, a pesquisa apontou que 54,6% da população enfrentou esse problema. Enquanto no sudeste, o percentual de insegurança alimentar foi de 53,5%. 

Observando as dificuldades e meios de sustento das famílias entrevistadas, foi possível perceber que o grupo que mais sofre com a insegurança alimentar são os beneficiários do Bolsa Família, diante do percentual de 88,2%.

Deste total, 35% realmente passam fome, enquanto os outros 23,5% precisam equilibrar o consumo para se enquadrar em um nível moderado de insegurança alimentar. 

Além do mais, os índices se mostraram ainda mais graves em moradias que possuíam na composição, crianças de até 4 anos de idade. Esta condição superou a média nacional de 29,3% com domicílios que conseguem manter uma alimentação de qualidade e quantidade ideais.

Por outro lado, o percentual expressivo de 70,6% enfrentam algum tipo de insegurança alimentar, enquanto 20,5% realmente passam fome. 

“Faz ao menos quatro anos que vemos o aumento da insegurança alimentar. Isso significa que uma criança pequena passou a primeira infância inteira em situação de insegurança alimentar moderada ou grave”, ponderou a pesquisadora. 

Todos estes dados são capazes de comprovar o resultado da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) realizada entre 2017 e 2018 divulgada em setembro de 2020 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo apontou pela primeira vez na história do país, uma queda drástica nos parâmetros de segurança alimentar.

Porém, o quadro se agravou ainda mais com a piora no cenário econômico brasileiro, especialmente após a chegada da pandemia da Covid-19 no país.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.