Policiais ameaçam greve nacional após desentendimento com Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro vem perdendo apoio de integrantes da UPB (União dos Policiais do Brasil), como delegados, agentes da Polícia Federal e policiais rodoviários federais. Esse grupo o chamam de traidor por não ter apoiado a solicitação para que a categoria não fosse atingida pela PEC emergencial. Os profissionais podem organizar protestos em todo o Brasil.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade
Policiais ameaçam greve nacional após desentendimento com Bolsonaro
Policiais ameaçam greve nacional após desentendimento com Bolsonaro (Imagem Google)

A PEC emergencial autoriza o congelamento de salário e novas contratações sempre que um estado de calamidade for decretado. 

O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luis Antônio Boudens e Dovercino Borges Neto, presidente da FenaPRF (Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais), afirmam que Bolsonaro “age nos bastidores” diferente do discurso público e que a finalidade da paralisação é ser um “ato simbólico de que a segurança pública desembarcou no governo Bolsonaro”. 

publicidade

Edvandir Paiva, presidente da ADPF, que representa os delegados da PF, diz que o apoio do governo e de alguns parlamentares à atual versão da PEC não bate com o discurso que elegeu o Bolsonaro.

“Estamos trabalhando, fazendo operação, evitando desvio de recurso do combate à pandemia. Ai, de repente, coloca na Constituição um congelamento salarial por tanto tempo, a gente entende que é desproporcional”, disse Paiva.

Bolsonaro se coloca contra o lockdown

O presidente afirmou nesta segunda, 8, que não usará o que definiu como “meu Exército” para aplicar lockdowns ou qualquer outra medida restritiva no Brasil. Os fechamentos foram autorizados pelos governadores para conter o crescimento da pandemia do coronavírus.

“Vou só dar um recado aqui: alguns querem que eu decrete lockdown. Não vou decretar. E pode ter certeza de uma coisa: o meu Exército não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa. O meu Exército, que é o Exército de vocês. Então, fiquem tranquilos no tocante a isso daí”, afirmou o presidente, ao falar com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada.

Tudo foi registrado por um casal de apoiadores do presidente e divulgado na internet.

O presidente continua atacando e se colocado contra as medidas de restrição aplicadas pelos governadores. Por conta disso, eles vem aumentando a pressão sobre Bolsonaro no combate a covid-19.

publicidade

“Parece que está voltando a onda, o lockdown. Se coloque no lugar do chefe de família que não tem o que levar para casa”, afirmou Bolsonaro aos apoiadores.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.