Atrasados do INSS ficam ameaçados com confirmação da PEC emergencial

A PEC Emergencial pode aumentar em cinco anos o prazo para pagamento de precatórios, que são resultado de ações contra a Previdência Social. Com isso, os atrasados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) podem ser os mais atingidos, já que este é o órgão do governo que possui mais credor.

Atrasados do INSS ficam ameaçados com confirmação da PEC emergencial
Atrasados do INSS ficam ameaçados com confirmação da PEC emergencial (Imagem: Sérgio Lima/Poder360)

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Emergencial é de autoria do Senador Márcio Bittar (PSDB-AC) e foi aprovada na última quinta-feira (04) no Senado Federal, por 62 votos. O texto tinha como prioridade abrir espaço no orçamento para pagar o auxílio emergencial 2021.

Porém, o texto também trás outras mudanças na economia do país, a fim de evitar um colapso restringindo gastos e definindo o teto de despesas. Diante disso, o novo auxílio emergencial foi aprovado com um orçamento de R$ 44 bilhões.

Entre as medidas de restrições de gastos, o texto desobriga o governo de abrir linhas de crédito para estados e municípios pagarem débitos. E isso, é considerado um risco para o pagamento de precatórios.

A proposta também defende estender o prazo de pagamento dos precatórios para cinco anos, ou seja, ampliar o limite de 2024 para 2029. Tanto a abertura de linhas de crédito, quanto o prazo final de 2024 para o pagamentos das dívidas foram aprovadas em 2017 com a Emenda Constitucional 99.

Segundo o diretor da Advocacia Sandoval Filho e membro da Comissão de Precatórios da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP), Messias Falleiros, a emenda 99 sequer foi usada e já está sendo trocada por uma nova prorrogação.

Isso mostra, de acordo com Falleiros, que o sistema jurídico do país é inseguro e só tende a dificultar o acesso ao crédito. Com isso, é justificável a insegurança dos investidores e a falta desse público no Brasil, principalmente, nos últimos anos.

Logo, a tentativa do governo é dar um novo “calote” aos credores, sendo o pior momento para fazer com a crise econômica e a pandemia, afirmou o advogado. Para ele este seria o momento buscar e conseguir novos investidores e não de aumentar a insegurança no setor.

Diante de tudo isso, entra em discordância o que foi defendido em setembro no ano passado, pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de que não seriam usados os recursos destinados para o pagamento de precatórios para bancar programas sociais, como sugeridos por Bittar desde o início.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Glaucia Alves
Gláucia Alves é formada em Letras-Inglês pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Atuou na área acadêmica durante 8 anos. Em 2020 começou a trabalhar como corretora de redação. Atualmente, trabalha na equipe do portal FDR, produzindo conteúdo sobre economia e direitos da população brasileira, onde já acumula anos de pesquisa e experiência. Além de realizar consultoria de redação on-line.