O que é a defasagem da tabela do IR? Entenda como isso impacta no seu bolso

Brasileiro deve permanecer pagando imposto acima da média. Nas próximas semanas, a população deve ficar atenta para preencher os informes do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2021. O procedimento anual é obrigatório para a maioria, resultando na prestação de contas com a Receita Federal. Abaixo, entenda o que é a defasagem na tabela do IR e como ela pesa no seu orçamento.

O que é a defasagem da tabela do IR? Entenda como isso impacta no seu bolso (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
publicidade

Para poder fazer a prestação do Imposto de Renda (IR) o cidadão deve levar em consideração sua tabela de defasagem. Trata-se de um levantamento feito pela Receita Federal que supostamente deveria fazer a correção das taxações tributárias de acordo com a inflação acumulada.

Ou seja, a defasagem nada mais é do que a média que deveria ser cobrada a população levando em consideração todo o cenário econômico nacional.

Quanto maior o número da inflação, menor deveria ser o valor dos impostos, resultando assim em cobranças mais amenas.

Defasagem da tabela do IR deve permanecer desatualizada

Apesar de precisar de uma correção anual, a tabela de defasagem do imposto de renda para a pessoa física está congelada desde o ano de 2015. O papel de correção dos valores é do governo de cada ano.

No entanto, de acordo com o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco), a defasagem está em 113% devido a falta de atualização.

Isso significa dizer que atualmente seu calculo leva em consideração toda a inflação acumulada de 1996 até 2019, mesmo com as correções feitas entre esse período.

Ou seja, tendo em vista a atual inflação oficial do país, foi acumulada uma variação de 346,69%, ficando acima das correções feitas nas faixas do IRPF que atualmente são de 109,63%.

“Em razão da não correção da tabela do IRPF, os contribuintes estão arcando com uma tributação sobre a renda a cada ano mais gravosa, uma vez que suas rendas são ajustadas pela inflação, em virtude de negociações trabalhistas ou com o contratante, ao passo que a tabela do imposto permanece sem correção”, explicaram os representantes da Associação Nacional dos Auditores da Receita Fiscal (Unafisco).

De modo geral, sem a correção de defasagem no IRPF a população passa a pagar impostos ainda mais altos, e de forma desigual ao valor recebido através de seus salários.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.