INSS 2021: Veja quanto vai contribuir mensalmente com reajuste no valor

Brasileiros sofrem aumento no valor de suas contribuições previdenciárias. Com a chegada de um novo ano, o governo federal corrigiu o valor do salário mínimo. Mais do que aumentar o salário da população, isso significa também que as taxas cobradas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) devem ser modificadas.

INSS 2021: Veja quanto vai contribuir mensalmente com reajuste no valor (Imagem: Reprodução/Googe)
INSS 2021: Veja quanto vai contribuir mensalmente com reajuste no valor (Imagem: Reprodução/Googe)

O novo salário mínimo de R$ 1.100 altera uma série de questões econômicas no país. Além de reajustar a faixa de renda dos trabalhadores em regime CLT, implica dizer também que as contribuições do INSS são modificadas.

A partir de agora, o teto do órgão deixa de ser de R$ 6.101,06 e vai para R$ 6.433,57, o que resulta em taxações mais caras.

Novas contribuições pelo INSS

O cálculo para definir as contribuições previdenciárias é simples. Quanto menor o valor recebido pelo trabalhador em seu salário, sendo a quantia mínima de R$ 1.100, mais reduzidos serão os descontos para o INSS.

Já aqueles com salários com base no teto do órgão, significa que precisará contribuir com quantias ainda mais altas. No entanto, é válido ressaltar que contribuir menos não significa uma boa notícia, tendo em vista que o valor da aposentadoria será menor e mais atrasado.

Com a reforma da previdência aprovada em novembro de 2019, o novo sistema de contribuição passou a ser progressivo, ou seja, tem uma durabilidade maior mediante as faixas salariais. Confira alguns exemplos do cálculo:

Uma trabalhadora com o salário de R$ 2 mil pagará 7,5% sobre R$ 1.100 – R$ 82,50 –, mais 9% sobre os R$ 900 que excedem esse valor – R$ 81 –, totalizando R$ 163,50 de contribuição.

Já no caso de uma outra brasileira com o salário acima de R$ 4.5 mil, sua contribuição deverá ser determinada da seguinte maneira:

  • Desconto de 7,5% sobre R$ 1.100: R$ 82,50 de contribuição
  • Mais 9% sobre R$ 1.103,48, que é a diferença de R$ 2.203,48 de R$ 1.100: R$ 99,31
  • Mais 12% sobre R$ 1.101,74, que é a diferença de R$ 3.305,22 de R$ 2.203,48: R$ 132,21
  • Mais 14% sobre R$ 1.194,78, que é a diferença de R$ 4.500 de R$ 3.305,22: R$ 167,27
  • Total: R$ 481,29

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.