Pessoas de baixa renda sofrem TRÊS VEZES mais com inflação do que os ricos

Nesta sexta-feira (11), O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que, para as pessoas de renda muito baixa, a inflação acumulada este ano foi quase três vezes maior que para a classe renda alta. Os dados foram mostrados no Indicador Ipea de Inflação por Faixa de Renda para o mês de novembro.

Pessoas de baixa renda sofrem três vezes mais com inflação do que os ricos
Pessoas de baixa renda sofrem três vezes mais com inflação do que os ricos (Imagem: Dennis Siqueira/Unsplash)

Segundo o apontamento, a faixa de renda muito baixa teve a variação acumulada na inflação de 4,56% — do início do ano até novembro. Para a faixa de renda alta, o resultado foi de 1,68%.

O indicador revelou que a inflação para as famílias de renda mais baixa esteve em 1%, Já para as de renda mais alta, a variação foi de 0,63% — sendo o único segmento da população que apresentou uma desaceleração inflacionária.

O Ipea indicou que o grande aumento dos preços dos alimentos no domicílio foi o principal foco de pressão inflacionária para as famílias de baixa renda. Foi estimado que 75% da inflação para esta classe foi por causa da alta do grupo alimentação e bebidas.

Desta classe, o impacto veio dos reajustes do arroz (6,3%), da batata (29,7%), das carnes (6,5%), do frango (5,2%) e do óleo de soja (9,2%). Para as famílias de maior renda, o principal foco inflacionário foi por conta do reajuste dos transportes por aplicativo (7,7%), da gasolina (1,6%) e do etanol (9,2%).

Impacto anual

Durante este ano, o Ipea explica que o diferencial de inflação entre as duas classes foi porque o cenário inflacionário combinou forte aceleração de preços de alimentos com uma grande desaceleração da inflação de serviços.

Para as famílias mais pobres, em que o gasto com os itens do grupo alimentação e bebidas impacta em 28% do orçamento. A alta inflacionária de itens como arroz (69,5%), feijão (40,8%), carnes (13,9%), frango (14%), leite (25%) e óleo de soja (94,1%) contribuíram para o resultado.

Por outro lado, o grupo de alimentação e bebidas comprometeu 13% dos gastos das famílias de classe alta. O alívio da inflação para essas pessoas ocorreu por causa da deflação de itens como passagens aéreas (-35,3%), transporte por aplicativo (-16,8%), gasolina (-1,7%) e despesas com recreação (-1,1%).

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.