Auxílio emergencial de R$300 diminui RENDA das famílias e do comércio no fim de ano

No próximo ano, a massa salarial dos brasileiros pode encolher cerca de 5,3%,  essa massa inclui os rendimentos do trabalho e benefícios sociais, e da Previdência. Essa queda está ligada ao efeito da retirada do auxílio emergencial e outros benefícios financeiros adotados pelo governo no período da pandemia.

Auxílio emergencial de R$300 diminuí RENDA das famílias e do comércio no fim de ano
Auxílio emergencial de R$300 diminuí RENDA das famílias e do comércio no fim de ano (Foto: FDR)

De acordo com a economista do Ibre/FGV, Luana Miranda, disse que “Com a saída do auxílio emergencial e dos benefícios às empresas na complementação de salários, virá pressão sobre o mercado de trabalho, deverá haver uma queda de 5,3% na massa de rendimento das famílias em 2021. E isso afeta diretamente o consumo, principalmente o dos mais pobres, que sofrem mais com a alta da inflação”.

Neste ano, o rendimento das famílias cresceu 3%, em relação ao ano passado, que foi garantida expansão pelas medidas de socorro financeiro do governo em meio a pandemia. 

Sem isso, a retração foi de 6,1% na massa de rendimentos. As iniciativas, segundo destacado por Miranda, tiveram sucesso, mas poderiam ter sido ajustadas melhor.

“Foi uma situação difícil, com um grande contingente de informais a socorrer. Mas especialistas concordam que o valor do benefício foi alto, enquanto o filtro para conceder o auxílio foi falho, em meio a limitações fiscais. Poderia ter sido mais eficiente e duradouro”, avaliou.

Em 2021, além de perder o impulso, há outros fatores que estão pressionando a renda das famílias. 

O principal fator é o desemprego, que alcançou o patamar recorde de 14,6% no trimestre terminado em setembro, atingindo 14,1 milhões de pessoas, e deve crescer mais. 

Outro fator é a inflação que ficou em 0,89% em novembro, acumulando alta de 4,31% em 12 meses. 

Essa variação de alimentos e bebidas beira os 16% em 12 meses. Tem efeito direto na renda dos mais pobres.

Ao ser implementado o valor de R$600, no mês de abril, o auxílio impulsionou o consumo do país, acelerando a retomada do varejo e da indústria.

No quarto trimestre, com a redução do benefício emergencial pela metade no mês de setembro, estes mesmos dois setores tiveram uma desaceleração.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.