Salário mínimo 2021 ganha NOVA projeção maior que o esperado pelo governo

Nesta terça-feira (17), foi anunciada a revisão de inflação feita pelo governo. O resultado deve aumentar o salário mínimo no próximo ano para R$1.088, esse valor é de R$21 a mais que o previsto no Orçamento anteriormente.

Salário mínimo 2021 ganha NOVA projeção maior que o esperado pelo governo
Salário mínimo 2021 ganha NOVA projeção maior que o esperado pelo governo (Foto: Google)

No mês de agosto, o Ministério da Economia divulgou uma previsão orçamentária no qual tinha a previsão de que o piso nacional tivesse um reajuste de 2,09%, equivalente à projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) na ocasião.

Com esses dados, o salário mínimo teria uma alta de R$1.045 para R$1.067 no ano que vem. Mas, a alta do preço dos alimentos fez com que a previsão para INPC subisse.

O Boletim Macrofiscal que foi divulgado estima que o indicador vai fechar o ano em 4,1%.

Sendo assim. o piso teria uma alta chegando em R$1.087,84, se arredondado seria de R$1.088.

Política de salário mínimo

Esse novo cálculo deve ser contemplado pelas leis de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e do Orçamento Anual (LOA), mas que não foram votadas no Congresso.

Mesmo com o aumento da previsão, o trabalhador ainda não vai ter uma alta real do salário mínimo no ano que vem, já que o reajuste repõe apenas a inflação.

Isso acontece, pois o Brasil deixou de ter uma política de valorização do salário mínimo.

Essa política teve vigor entre 2011 e 2018 no país e estabelecia que o piso nacional tivesse um reajuste pela inflação junto com a variação do Produto Interno Bruto (PIB) registrado dois anos antes.

Apesar disso, desde 2019 o governo está buscando manter esse reajuste do salário mínimo indexado apenas pela inflação, como prevê a Constituição. 

Essa medida foi uma forma de evitar o crescimento de gastos públicos do governo.

Impacto Fiscal

A alta acima do previsto no Orçamento deve ter um significado de gasto extra para o governo, já que o valor é base para os benefícios previdenciários e assistenciais pago pelo governo.

De acordo com os cálculos da equipe econômica, cerca de R$1 real de aumento no mínimo, acrescenta R$355 milhões na despesa pública.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.