Prorrogação do seguro-desemprego beneficiaria 6 milhões de brasileiros na pandemia

Proposta de extensão do seguro desemprego segue em avaliação. Devido ao elevado número de demissões motivados pela pandemia do novo coronavírus, o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador vem estudando a possibilidade de acrescentar mais duas parcelas no benefício destinado aos desempregados sem justa causa. Se for aceita, a proposta deverá contemplar mais de 6 milhões de pessoas. Saiba sobre sua tramitação.  

publicidade
Prorrogação do seguro-desemprego beneficiaria 6 milhões de brasileiros na pandemia (Foto: Google)
Prorrogação do seguro-desemprego beneficiaria 6 milhões de brasileiros na pandemia (Foto: Google)
publicidade

A iniciativa de aumentar as parcelas do seguro desemprego permanece sendo pauta entre representantes públicos e administrativos.

De acordo com os levantamentos realizados, ela terá um impacto de R$ 16,1 bilhões nos cofres da União. Caso seja aceito, o benefício deixará de ser concedido em até 5 parcelas e passará para até 7 parcelas.  

Motivação da proposta  

O principal motivo pelo qual o projeto passou a ser avaliado diz respeito a crise econômica do novo coronavírus. Com uma elevação de destaque no número de demissões, cerca de 6 milhões de brasileiros passaram a ficar descobertos financeiramente tendo em vista a dificuldade de arrumar um novo emprego nesse período de crise. 

Desse modo, o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador vem trabalhando para que o benefício seja estendido apenas para estes que foram demitidos pela pandemia. Sua validade será destinada para os trabalhadores desligados entre 20 de março a 31 de dezembro de 2020. 

Cálculo do seguro desemprego 

Normalmente o cidadão tem direito de três a cinco parcelas. O valor e tempo exato varia de acordo com o tempo de trabalho e também com a quantidade de vezes em que solicitou o benefício.

Atualmente, o piso do pagamento é de R$ 1045 a R$ 1.813,03, a depender do último salário recebido pelo cidadão.  

Seu cálculo é simples, basta somar os pagamentos dos últimos três meses anteriores a demissão e dividir por três. Aplique o resultado dentro dessas condições: 

  • Salários de até R$ 1.559,61 será multiplicado por 0,8 (80%) 
  • Salários de R$ 1.599,62 a R$ 2.666,29: o que exceder R$ 1.599,61 será multiplicado por 0,5 (50%) e somado a R$ 1.279,69 
  • Salários acima de R$ 2.666,29: a parcela será de R$ 1.813,03 

A proposta de extensão deverá ser avaliada até o fim do mês para ter validade em novembro. 

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.