Nesta terça-feira (15), foi divulgado pela Secretaria Especial de Produtividade,Emprego e Competitividade que faz parte do Ministério da Economia, dados que mostram o desempenho do setor artístico, criativas e espetáculos como o mais afetado devido a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus.

publicidade
Setor artístico é o mais AFETADO pela crise causada pelo coronavírus 
Setor artístico é o mais AFETADO pela crise causada pelo coronavírus  (Foto:Google)
publicidade

Logo atrás do setor artístico, o setor de transporte aéreo aparece como o segundo mais afetado.

“A lista destina-se apenas a orientar as instituições financeiras acerca dos setores mais atingidos”, apontou o ministério em nota publicada à imprensa.

As dez primeiras atividades da lista que foram mais afetadas economicamente por causa da pandemia do Covid-19 foram: transporte ferroviário e metroferroviário de passageiros, transporte interestadual e intermunicipal de passageiros, transporte público urbano, serviços de alojamento e de alimentação, produção de veículos automotores e de calçados e artefatos de couro e o comércio de veículos, peças e motocicletas.

Segundo a nota publicada pelo Diário Oficial da União, a lista de setores mais afetados é maior e conta com a participação de 34 setores que forem prejudicados neste período.

A pesquisa foi feita com base nos dados variados de faturamento do setor a partir da decretação da calamidade pública, que foi divulgada no mês de março, conforme os dados revelados pela Receita Federal, e também foi considerada a relevância do setor na economia, disse o ministério.

Mais informações sobre o Ministério da Economia

O Ministério da Economia realiza as políticas fiscais do país. As políticas fiscais são um conjunto de medidas adotadas que são destinadas ao ajustamento das finanças públicas que se trata tanto o planejamento orçamentário, como o planejamento financeiro do Estado.Ele é o órgão que fica responsável pelas medidas e organização de como o governo federal gasta e arrecada seus recursos financeiros.

O Ministério da Economia é composto por sete secretarias especiais. Além das secretarias especiais, 19 secretarias comuns o compõe, uma subsecretaria-geral vinculada à Secretaria Especial da Receita Federal e uma Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos.

As sete secretarias especiais são: Fazenda; Receita Federal do Brasil; Previdência e Trabalho; Comércio Exterior e Assuntos Internacionais; Desestatização e Desinvestimento; Produtividade, Emprego e Competitividade e Desburocratização, Gestão e Governo Digital.

Giovanna Freitas é graduanda na Universidade Anhembi Morumbi (UAM), atualmente é redatora do portal FDR produzindo pautas sobre finanças.