Os Correios aguardam o julgamento da ação de dissídio coletivo que está marcado para o dia 21, na próxima segunda-feira. A empresa está com paralisação parcial dos funcionários desde 17 de agosto. Mesmo com a paralisação, foram entregues mais de 187 milhões cartas e encomendas em todo o país nas últimas quatro semanas.

publicidade
Julgamento da ação de dissídio coletivo dos Correios está marcado para o dia 21 de setembro
Julgamento da ação de dissídio coletivo dos Correios está marcado para o dia 21 de setembro (Imagem: Reprodução: Google)
publicidade

De acordo com a nota divulgada da estatal sobre a situação, em julho desse ano, os Correios haviam tentado realizar propostas de manutenção dos termos do Acordo coletivo de Trabalho 2020/2021. A intenção seria de adequar os benefícios de acordo com a realidade do país e da empresa.

Era prevista uma economia anual de R$ 800 milhões com a redução de privilégios. Os Correios possuem um prejuízo acumulado de R$ 2,4 bilhões. Sendo assim, o valor seria suficiente para sanar as dívidas em três anos.

Posicionamento dos Correios

A empresa alega que as exigências impostas pelos sindicatos para a manutenção de termos no dissídio anterior podem colocá-la em risco. As consequências seriam acumular prejuízos ou até mesmo contribuir para a falência.

A mesma nota afirma que os reajustes salariais aos funcionários foram maiores que o de um trabalhador médio. O salário mínimo aumentou em 104% nesse período, enquanto o valor recebido por um carteiro, por exemplo, aumentou 117%.

“A empresa aguarda o retorno dos trabalhadores que aderiram ao movimento paredista antes  do  julgamento  do  dissídio  coletivo […]: cientes  da  sua  responsabilidade  para  com a  sociedade,  eles  são indispensáveis  para  a prestação  de  serviços  essenciais  à  população  em  um momento tão delicado para o país e o mundo”, conclui.

Motivação dos funcionários

Segundo a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (Fentect), os motivos da paralisação dos funcionários foi foram causa da manutenção dos benefícios trabalhistas, da proposta de privatização da empresa e pela insatisfação com o salário recebido.

Mais informações

A rede de atendimento segue aberta para mais informações, inclusive o atendimento do SEDEX e PAC. Porém, ainda continuam suspensas temporariamente as postagens com hora marcada.

Os clientes também podem entrar em contato com os Correios pelos números 3003 0100 e 0800 725 0100 ou pelo site http://www.correios.com.br/fale-com-os-correios.

Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC).
Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.