Estudantes da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) devem ficar atentos aos prazos de matrícula. Começou nesse sábado (12) o período de inscrição para as disciplinas de ensino remoto emergencial. As atividades são voltadas para os cursos de graduação e deverão ocorrer de forma online entre os dias 21 de setembro até 27 de novembro. Abaixo, saiba como participar.  

publicidade
Matrículas na UFJF terminam nesta semana para ingresso no ensino remoto (Imagem: Reprodução - Google)
Matrículas na UFJF terminam nesta semana para ingresso no ensino remoto (Imagem: Reprodução – Google)
publicidade

Mediante a pandemia do novo coronavírus, as universidades públicas e privadas precisaram reorganizar seus calendários e elaborar novas estratégias para manter o calendário pedagógico. Em Juiz de Fora, a UFJF adotou ao ensino remoto para disciplinas de caráter emergencial.  

Os interessados devem se inscrever até o dia 16 de setembro através do Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (Siga). Ao acessar a plataforma, além de escolher as matérias que irá assistir as aulas, será preciso também assinar o termo de autorização de uso de imagem e voz para gravação das aulas e demais atividades remotas. Somente após esse procedimento é que a matrícula será validada.  

A decisão de aderir ao ensino remoto foi aprovada pelo Conselho Superior (Consu) há um mês e deverá se manter até o mês de dezembro a depender dos desdobramentos da pandemia.  

Ensino remoto emergencial na UFJF 

Os alunos que se matricularem terão acesso as atividades acadêmicas através de plataformas digitais. Serão desenvolvidas, em tempo real, aulas e exames avaliativos com a finalidade de garantir o andamento do ano letivo.  

Para isso, os professores utilizarão tecnologias digitais de informação e comunicação, possibilitando a interação direta com os estudantes.  

É válido ressaltar, no entanto, que a participação não é obrigatória, tendo em vista que nem todos os alunos conseguem ter acesso a essas ferramentas.  

No caso daqueles que não conseguirem cumprir o semestre agora, a universidade está desenvolvendo um novo calendário, a partir de novembro deste ano, visando o retorno da modalidade presencial.  

A decisão de reabertura das salas de aula presenciais deverá ser tomada a partir dos efeitos do covid-19.

Para que os centros voltem a funcionar, será preciso aplicar uma série de políticas de vigilância, higienização e segurança evitando o contágio entre os alunos, professores e demais servidores. 

Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.