Quem deseja trabalhar no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 tem até o dia 29 de setembro para realizar as inscrições através da Rede Nacional de Certificadores (RNC). As inscrições foram abertas na quarta-feira (9). Para participar, é preciso seguir algumas regras estabelecidas pelo Inep.

publicidade
Como ser fiscal do ENEM 2020? Entenda TODAS as regras
Como ser fiscal do ENEM 2020? Entenda TODAS as regras (Imagem: Reprodução Google)
publicidade

Podem participar servidores públicos em exercício neste ano, do Poder Executivo Federal regido pela Lei nº 8.112 ou docente da rede estadual ou municipal de ensino efetivo e registrado no Censo Escolar 2019. Ainda que façam parte deste grupo, o Inep faz mais algumas exigências.

Entre elas, ter formação mínima em Ensino Médio, não estar inscrito como participante do Enem 2020, não ter cônjuges/companheiros ou parentes inscritos no exame, não ter vínculo com as atividades do processo logístico de elaboração, impressão, distribuição e aplicação ou de observação da aplicação do Enem e nem com o processo de correção da redação e, por fim, ter smartphone ou tablete e computador com acesso à internet.

Após as convocações, o Inep realiza a convocação no dia 14 de outubro para dar início ao curso de capacitação – obrigatório para todos que irão trabalhar.

Por segurança, a capacitação é feita por um número de até três vezes mais candidatos de acordo com a demanda que cada município.

A capacitação é feita à distância para divulgação das normas do exame. Após as atividades, são considerados aptos para trabalhar como certificadores os que tenham alcançado no mínimo 70% de aproveitamento no curso.

A partir de então, fica a cargo destes realizar os procedimentos de aplicação das provas, registros em sistema eletrônico das informações coletadas e informar ao Inep qualquer problema identificado.

O serviço de fiscal do ENEM não é totalmente voluntário. Afinal, envolve remuneração. O trabalho do certificador vale R$ 342 por dia de prova, conforme o valor da hora do servidor público do Poder Executivo Federal, que é de R$ 28,50.

O pagamento é feito após a aplicação do exame. Para receber, os certificadores devem apresentar um relatório.

Vale ressaltar que, por causa da pandemia do novo coronavírus, o edital exige que os certificadores usem máscaras e possuam álcool em gel durante todo o período de prova, nos dois dias, sendo indispensável para o trabalho dos mesmos.

Isabela Veríssimo é jornalista formada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) com passagens por redações, desde 2016, como o Diario de Pernambuco, Jornal do Commercio e Rede Globo. Atualmente dedica-se à redação de economia do portal FDR.