Preços do petróleo reagem negativamente as notícias de desemprego no EUA

Ontem (20), o petróleo retrocedeu 1% após a Reuters comunicar que a Opec+ está buscando resolver um excesso de oferta diário de cerca de 2 milhões de barris e em meio a uma alta extraordinária na quantidade de pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos. Essas combinações indicam uma queda no ritmo da recuperação da economia.

Preços do petróleo reagem negativamente a notícias de desemprego no EUA
Preços do petróleo reagem negativamente a notícias de desemprego no EUA (Imagem: Google)

O petróleo Brent terminou o dia em queda de 0,47 dólar, ou 1%, a 44,90 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA (WTI) para entrega em setembro regrediu 0,35 dólar, ou 0,8%, para 42,58 dólares o barril, em seu último dia de negociações. O contrato outubro do WTI mais ativo, cedeu 0,29 dólar, ou 0,7% a 42,82 dólares/barril.

A OPEC (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e seus associados, que integram o grupo conhecido como Opep+, falaram na última quarta-feira (19) que o ritmo da recuperação do mercado de petróleo parece estar mais devagar do que se previa. O que pode apontar para um crescente risco de uma segunda onda prolongada da pandemia de coronavírus.

Os preços foram ainda mais pressionados após a Reuters comunicar que alguns integrantes da Opep+ vão precisar efetuar um corte adicional de oferta de 2,31 milhões de barris por dia (bpd) como forma de equilibrar o excesso recente de bombeamento.

Além deste fato, os mercados globais também foram atingidos pelo alto número de solicitações de seguro-desemprego nos EUA, que na semana passada passou novamente da marca de 1 milhão.

“A recuperação da atividade econômica global, que de certa forma explicou os preços firmes do petróleo no período de maio a junho, estagnou… O ambiente macro para o petróleo continua demonstrando fraqueza”, explicou Georgi Slavov, da Marex Spectron.

Dólar

Ontem, 20, o dólar estava operando em alta com os olhos dos investidores direcionados para os debates em torno do orçamento do governo para 2021.

E também para os temores causados a respeito da trajetória das contas públicas, depois do Senado derrubar o veto de Bolsonaro ao reajuste salarial dos servidores públicos.

Às 13h08, o Dólar subia 1,90% e era vendido a R$5,6335. Até este momento, na máxima atingiu R$5,6730. O Dólar turismo por sua vez, era vendido a cerca de R$5,93.

Ontem (19), a moeda americana fechou o dia em alta de 1,14% a R$5,5287, representando o maior patamar de fechamento desde o dia 22 de maio quando atingiu R$5,5842.

Nesta semana, o dólar passou a acumular uma alta de 1,83%. Considerando o mês, foi registrada uma alta de 5,97% e no ano, 37,88%.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA