UFSCar estima perder R$11 milhões no orçamento de 2021; como ficam os estudantes?

A UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), comunicou ontem (12) que prevê um corte de R$11 milhões no orçamento para o próximo ano, segundo o anúncio da possível diminuição de 18,32% na Ploa (Proposta de Lei Orçamentária).

UFSCar estima perder R$11 milhões no orçamento de 2021; como ficam os estudantes?
UFSCar estima perder R$11 milhões no orçamento de 2021; como ficam os estudantes? (Imagem: Divulgação UFSCar)

O informativo a respeito do corte foi disponibilizado no SIOP (Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento) pelo Ministério da Educação (MEC).

Segundo informações da assessoria de imprensa da reitoria da universidade, esta redução orçamentária recai sobre os gastos não obrigatórios que englobam o funcionamento, manutenção, assistência estudantil e investimento, e ainda inclui o teto de arrecadação de recursos próprios.

Ao ser perguntada sobre como o corte pode afetar o funcionamento da universidade, a assessoria disse, em nota, que isto será um desafio e que a UFSCar vai buscar alternativas e se for necessário, irá priorizar as ações mais importantes, porém não forneceu detalhes mais profundos.

O comunicado também diz que, assim como em anos passados, existe um “grande esforço para reverter a situação”.

“A situação pode mudar, pois existem muitas articulações e negociações envolvendo o MEC, Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais (Andifes) e o Congresso Nacional”, explicou.

A UFSCar comemorou seus 50 anos em 2020 e oferta 65 cursos de gradação nos campi São Carlos, Araras, Lagoa do Sino, em Buri, e Sorocaba e se permanece como uma das mais importantes exportadoras de pesquisa e inovação do Brasil e do mundo.

Cortes previstos

Na última segunda, 10, o MEC comunicou que estuda um corte de R$4,2 bilhões no orçamento das despesas não obrigatórias para 2021, o que equivale a uma redução de 18,2% ao ser comparado com o orçamento aprovado para este ano.

Desde total cortado, R$ 1 bilhão sairá das universidades e R$ 434,3 milhões, dos institutos federais. Juntas estas instituições possuem um total de 1,2 milhão de estudantes.

O MEC ainda não entrou em detalhes a respeito de outras áreas e programas que serão afetados pelos outros R$2,75 bilhões restantes do total de R$ 4,2 bilhões que deixariam o orçamento.

Com a volta das aulas presenciais em meio a pandemia do coronavírus, a situação pode se agravar ainda mais: os reitores estimam gastos mais elevados com a compra de equipamentos de proteção, reforços nas equipes de limpeza e adaptações nas salas de aula e nos sistemas de ventilação.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.