publicidade

Beneficiários do Instituto Nacional do Serviço Social (INSS), com 60 anos ou mais, agora podem realizar a comprovação de vida por meio de procurador ou representante legal, sem o prévio cadastramento na instituição. A mudança foi publicada em portaria do Diário Oficial da União, na segunda-feira (27), a fim de proteger aposentados e pensionistas durante a pandemia de coronavírus. 

INSS comunica novidades em uma das suas principais regras; veja qual!
INSS comunica novidades em uma das suas principais regras; veja qual! (Imagem: FDR)

publicidade

A partir da data de publicação, os bancos estão autorizados a realizar a comprovação de vida quando for apresentada procuração, termo de tutela, curatela ou guarda. 

A procuração também será aceita em casos de ausência por viagem, impossibilidade de locomoção ou doença contagiosa. Cujo mandato esteja vigente e durante o período de 120 dias, podendo ser prorrogado. A prova de vida dos beneficiários é obrigatória, com a finalidade de evitar fraudes e pagamentos indevidos.

Exigências do INSS

De acordo com a portaria, a dispensa do cadastramento não impede que o INSS rejeite a documentação caso existam indícios de falsidade. Além de poder solicitar, a qualquer tempo, os documentos apresentados, autenticados ou não, em especial após o fim do estado de emergência epidêmico. 

Ademais, nos casos em que a documentação provoque dúvida quanto à legitimidade ou for indispensável o comparecimento presencial do interessado, os prazos ficarão suspensos até o retorno do atendimento presencial. Ocorre de maneira idêntica quando a documentação necessária não estiver entre as previstas. 

Serão realizados pelo INSS também os casos de recebimento de benefício, inclusão de procuração e cadastramento de herdeiro necessário na condição de administrador provisório. 

Documentos não autenticados

A portaria também trata de documentos que estão dispensados de autenticação para serem apresentados, como:

  • certidões de nascimento, casamento ou óbito; 
  • documento de identificação; 
  • formulários de Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP);
  • documentos apresentados para solicitação de pagamento até o óbito;
  • fechamento de vínculo empregatício;
  • alteração de dados cadastrais;
  • cadastramento de Pensão Alimentícia;
  • desistência de benefício;
  • documentos do grupo familiar para fins de pedido de benefícios assistenciais;
  • instrumentos de mandatos para cadastramento de procuração;
  • documentos médicos para comprovação de doença contagiosa ou impossibilidade de locomoção. Para fins de inclusão de procuração, termo de tutela, curatela e guarda;
  • comprovante de andamento do processo judicial de representação civil.

Mariana Cristina Rocha dos Santos é formada em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo. Possui experiência em comunicação interna e externa no Teatro Carlos Gomes, espaço histórico-cultural capixaba. Além de produção para televisão, com pautas para programa de entretenimento, chamadas televisivas, spot para rádios e mídias sociais na TV Gazeta (afiliada à Rede Globo). Atualmente dedica-se a redação portal FDR.