Bradesco, Santander e grandes bancos se unem para ajudar Amazônia

Preservação da natureza vira pauta entre as instituições bancárias. Nessa semana, os principais bancos do país se reuniram para desenvolver um plano conjunto cuja finalidade é promover o desenvolvimento sustentável da Amazônia. Em parceria, o Santander, Bradesco e Itaú enviaram um documento ao governo com dez medidas para estimular as cadeias sustentáveis da região. 

publicidade
Bradesco, Santander e grandes bancos se unem para ajudar Amazônia
Bradesco, Santander e grandes bancos se unem para ajudar Amazônia (Imagem: Reprodução – Google)
publicidade

Em meio a tanta cobrança sobre cuidados com a Amazônia, as instituições resolveram se reunir para poderem elaborar um projeto de atuação. 

A ideia é conceder valores com o propósito de custear ações de sustentabilidade. Além disso, os bancos visam também desenvolver estruturas básicas para o desenvolvimento social e ambiental.  

Ao todo, o projeto contém dez medidas que devem começar a ser implementadas ainda esse ano. Em carta enviada para o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, as instituições sugerem a elaboração de políticas de combate ao desmatamento.  

Para que o planejamento entre em prática, será criado um conselho com diferentes especialistas que obtenham conhecimento das questões sociais e ambientais envolvendo a Amazônia. 

Bancos a favor da Amazônia

“A ideia é que todos precisam assumir sua parcela de compromisso com as futuras gerações. Por isso, lançamos uma agenda objetiva que pretende defender e valorizar a Amazônia, suas riquezas naturais, florestas, rios e cultura diversificada. Queremos dar passos concretos para tornar discurso em realidade. A Amazônia não é um problema. O ato de proteger a Amazônia guarda boa parte das respostas corretas para um mundo que tem dúvidas e incertezas”, afirmou, em nota, o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior. 

Já o presidente do Itaú Unibanco, Cândido Bracher, reforçou os papéis dos bancos em uma pauta tão importante nacionalmente.

“Como agentes importantes do sistema financeiro, compartilhamos as mesmas preocupações a respeito do desenvolvimento socioeconômico da Amazônia e da conservação ambiental. Acreditamos que os três bancos têm forças complementares e, atuando de forma integrada, vemos grande potencial de geração de impacto positivo na região”, destacou Bracher. 

Por fim, o presidente do Santander, Sergio Rial, ressaltou que o desafio “impõe uma atuação firme e veloz a todos os atores que puderem participar da construção de um modelo de desenvolvimento sustentável para a Amazônia. Com a união de esforços da nossa indústria, conseguiremos fazer ainda mais por essa região, que tem um valor inestimável não só para o País, mas para todo o planeta”. 

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.