Nesta quinta-feira (25), o Ministério da Economia divulgou dados que apontam que os pedidos de seguro desemprego tiveram uma queda de 22,9% na primeira quinzena de junho.

publicidade
Caem os pedidos de seguro desemprego na crise; confira novo balanço
Caem os pedidos de seguro desemprego na crise; confira novo balanço (Imagem FDR)
publicidade

Com relação ao mesmo período do ano passado, 2019, em que não havia pandemia o montante é bem maior chegando a 35% a mais.

Do mês de maio para junho, o número de trabalhadores formais que solicitaram o benefício foi de 455.911 para 351.315. Já na segunda metade de junho, esse número era de 260.228.

De acordo com a pasta, os três estados com maior número de pedidos foram São Paulo (109.278), Minas Gerais (37.130) e Rio de Janeiro (28.507).

No acumulado de 2020, foram contabilizados 3.648.762 pedidos. O número é 14,2% maior ao registrado no mesmo período de 2019,3.194.122.

Deste total de requerimentos no período, 250.880 (71,4%) foram realizados pela internet, ressaltou o ministério.

O seguro desemprego foi criado no ano de 1986, é um benefício oferecido pela Previdência Social, no qual o recurso para pagamento vem do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). 

O auxílio é garantido por um tempo determinado, pelo período em que o cidadão está desempregado, porém só recebem aqueles que não foram demitidos por justa causa.

Quem tem direito ao seguro?

Para receber o trabalhador deve estar desempregado quando requerer o benefício, ter recebido salários de pessoa jurídica ou pessoa física equiparada à jurídica (inscrita no CEI) relativos a:

  • Pelo menos 12 (doze) meses nos últimos 18 (dezoito) meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da primeira solicitação;
  • Pelo menos 9 (nove) meses nos últimos 12 (doze) meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando da segunda solicitação; e
  • Cada um dos 6 (seis) meses imediatamente anteriores à data de dispensa, quando das demais solicitações.

Também não deve possuir renda própria para o seu sustento e de sua família, e nem receber o benefício de prestação continuada da Previdência Social, exceto pensão por morte ou auxílio-acidente.

Como solicitar? 

O trabalhador deve solicitar o benefício por meio do portal do governo. Assim, o trabalhador deve fazer um cadastro para acessar o serviço, informando o CPF, nome, telefone e e-mail.

Outra forma de solicitar o benefício é utilizando o aplicativo Carteira de Trabalho Digital, que pode ser baixado em smartphones do sistema Android ou iOS.

Além disso, o governo disponibilizou o telefone 158, para que os trabalhadores possam tirar dúvidas sobre o seguro. Essa ligação é gratuita de telefone fixo para todo o país.

Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.