publicidade

Nesta quarta-feira (17), o Comitê de Política Monetária do Banco Central confirmou que será realizado mais um corte de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros do país, mais conhecida como Selic. A taxa caiu de 3% a 2,25% ao ano, alcançando uma mínima histórica. Essa redução era esperada por analistas de mercado e interfere diretamente no Pronampe, que é o programa criado pelo governo para apoiar às microempresas e empresas de pequeno porte. 

Pronampe: Após definição da Selic, juros do empréstimo também é fixado
Pronampe: Após definição da Selic, juros do empréstimo também é fixado (Foto:Google)
publicidade

O programa de crédito que foi criado pelo governo durante esse período de crise econômica causada pelo coronavírus, e possuí uma taxa anual igual à Selic acrescentando 1,25 ao anoSendo assim, o Pronampe ficará com uma taxa de 3,5% ao ano. 

Os bancos que aderirem ao programa vão entrar com recurso próprio para o crédito, mas terão uma garantia do Fundo de Garantia de Operações, que serão operacionalizadas pelo Banco do Brasil, em até 85% do valor

Na terça-feira (16), a Caixa já havia anunciado como iria ser operacionalizada a linha de crédito do Pronampe. 

Essa linha possui uma carência de cerca de 8 meses, com taxa de juros Selic mais 1,25% ao ano e um financiamento de 28 parcelas.

O valor emprestado irá depender do CNPJ e terá 30% da receita bruta anual, levando em consideração a base no exercício de 2019.

A contratação desse empréstimo pode ser feito pela página da Caixa: www.caixagov.br/pronampe

Os pequenos empresários que tem interesse pelo crédito e aguardam o contato do gerente do banco para envio de documentação e demais informações. A aprovação desse empréstimo está condicionada ao risco de crédito.

Além de bancos públicos, a partir da próxima semana os bancos privados do país vão ofertar a linha em nome do Pronampe

De acordo com o diretor executivo comercial responsável por Itaú Agências, Itaú Uniclass e PMEs, Carlos Vanzo, essas linhas são essenciais para os bancos nesse momento.

“Linhas como essa são fundamentais para irrigar a economia e ajudar companhias que têm necessidade de caixa”.

Para André Rodrigues, diretor executivo responsável pelo banco de varejo, diz que ouviu críticas relacionadas à rentabilidade do crédito. “Independentemente de retorno, o foco é compor uma alternativa para as PMEs. No fim, todos saem ganhando”.

Outro banco que está se preparando para poder oferecer o crédito é o Bradesco Segundo Leandro Diniz, diretor de empréstimos e financiamentos do banco eles vão aderir ao Pronampe voltados para empresas com faturamento anual entre 360.000 e 300 milhões de reais. 

O banco quer ter os sistemas já preparados para a linha do Pronampe no final do mês de junho para julho. 

O banco Santander, disse por meio de nota que está discutindo os detalhes com os órgãos participantes do processo “para adequar os fluxos de contratação destas operações”. 

COMENTÁRIOS

Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.