E agora? Caixa não cria cronograma e novo saque do FGTS parece instável

Os trabalhadores de todo o país devem ficar atentos com a proximidade do calendário de saques emergenciais do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, o FGTS.

publicidade
Caixa não cria cronograma e novo saque do FGTS parece instável (Montagem/FDR)
Caixa não cria cronograma e novo saque do FGTS parece instável (Montagem/FDR)
publicidade

Divulgado pelo governo federal neste ano como mais uma medida de auxílio durante a pandemia provocada pelo novo coronavírus, o benefício ainda não tem muitos pontos definidos.

A expectativa era de que os repasses começarem no dia 15 de junho, mas até então não foram divulgadas nenhuma novidade sobre. A criação de um programa de recebimentos ainda não foi compartilhada.

Vale lembrar que a Medida Provisória que permitiu o saque determina que dinheiro estará disponível de 15 junho até o dia 31 de dezembro na conta dos trabalhadores. A Caixa Econômica Federal é responsável pela criação do calendário.

De acordo com especialistas, a demora se dá também em virtude do pagamento atual do auxílio emergencial que concentra a maior preocupação do banco, com a formulação de calendários para tentar não causar aglomerações.

Não apenas o saque do auxílio está acontecendo no banco, mas o do décimo terceiro do INSS, Bolsa Família e demais operações. O cronograma definido impede que haja tumulto e aumente o índice de contaminação pelo novo coronavírus.

Terão direito os trabalhadores que possuem saldo nas contas do FGTS, seja ativa ou inativa. Ainda é preciso ficar atento aos valores em conta, pois o máximo a ser retirado deve ser de um salário mínimo, independente do quanto o cidadão possuí em cada fundo.

Caso o trabalhador tenha mais de uma conta, ele poderá juntar os valores de cada uma delas para que no total fique com o valor igual ou próximo a R$1.045. Terá prioridade no calendário de saque os brasileiros que possuem apenas contas inativas e contas com menos saldo.

consulta dos valores pode ser realizada através do site da Caixa ou pelo aplicativo do FGTS, disponível para download na Google Play e na AppStore. É necessário ter em mãos número do NIS (o seu número de Identificação Social) ou CPF.