Governo comunica quais os planos para ajudar população no pós crise

A pandemia do coronavírus impactou fortemente a renda das famílias. Muitas pessoas perderam seus empregos ou não puderam trabalhar devido o isolamento social. Diante de todo esse triste cenário, Adolfo Sachsida, secretário de Política Econômica, disse que no período pós crise, isto é, após a pandemia, o Brasil e o mundo estarão mais pobres e endividados.

Governo explica quais recursos vai usar para ajudar população no pós crise
Governo explica quais recursos vai usar para ajudar população no pós crise (Foto: FDR)

Adolfo é a favor da criação de políticas mais eficiente que gerem empregos, e defende que programas de proteção e ajuda aos mais pobres sejam fortalecidos. Porém, ele ressalta que manter fixo o Auxílio Emergencial não é recomendado.

O motivo mais forte, segundo ele, para que o auxílio não seja permanente é o enorme gasto que aconteceria. Manter o benefício, custaria em apenas um mês, mais do que é gasto em um ano inteiro de Bolsa Família. Por isso, ele acredita que é necessário fortalecer a rede de assistência social mas sem aumentar ainda mais os gastos públicos.

Ele defende que, considerado a manutenção do teto de gastos, sistema pelo qual as despesas não podem ficar acima da inflação do ano anterior, as despesas sejam realocadas dentro do orçamento público.

“Temos de pegar recursos de programas sociais não eficientes e passar para os programas sociais efetivamente eficientes. Dessa maneira, conseguiremos fazer mais com menos”, afirmou Sachsida.

Sachsida segue dizendo que neste momento, não existe espaço fiscal para mais gastos e que todos como nação, precisam decidir se políticas públicas que repassam o dinheiro dos mais pobres para os mais ricos vai permanecer ou se vai mudar.

Recuperação judicial pós crise

Após falar sobre os programas sociais, Adolf também declarou que é favor de políticas mais efetivas para recuperação judicial, que viria através de uma lei de falências mais elaborada.

Diante do alto número de empresas que infelizmente fecharão as portas, ele considera a lei essencial. Esta seria uma maneira de realocar o capital de um setor para outro e oferecer condições para que a economia possa reaver seu dinamismo.

Por fim, ele diz que este ano será difícil, e que o próximo, tem condições de ser melhor ou pior e que isto depende das decisões que forem tomadas no segundo semestre.

“Tenho convicção que com liderança de Bolsonaro, Guedes e colaboração de Maia e Alcolumbre, triunfaremos na agenda de reformas”, finalizou.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.