Governo vai incluir novas categorias como beneficiárias do auxílio emergencial

O governo federal apoiou ampliar a quantidade de pessoas que estão aptas a receber o auxílio emergencial, porém rejeita fazer mudanças nas regras de pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e criar um novo programa de auxílio ao emprego. 

Governo vai incluir novas categorias como beneficiárias do auxílio emergencial
Governo vai incluir novas categorias como beneficiárias do auxílio emergencial (Montagem: FDR)

O posicionamento foi divulgado nesta quinta-feira (16) pelo Ministério da Economia. As propostas comentadas pela equipe econômica constam de projeto aprovado pelo Senado Federal, e que ainda no dia 16 de abril passou pela Câmara dos Deputados.

Leia também: Câmara muda regras de cadastro no site e App do coronavoucher

No caso do auxílio emergencial de R$600, o projeto estende o benefício a mães adolescentes, trabalhadores informais, que no ano de 2018 tiveram rendimentos altos e foram excluídos da proposta original, e dobra o valor pago a homens solteiros que sejam chefes de família. 

Segundo a área econômica, as mudanças devem custar R$10 bilhões a mais neste ano. 

O chefe da assessoria especial do Ministério da Economia, Esteves Colnago, afirma que o valor engloba um conjunto importante de profissionais como os de motoristas de táxi e de aplicativos. 

De acordo com Colnago, esses trabalhadores tinham renda nos últimos anos, mas podem estar sofrendo neste momento devido à crise do novo coronavírus

“O custo fiscal de R$ 10 bilhões não é desprezível, mas está em linha com o que se busca, que é proteger quem precisa ser protegido. O Executivo vai fazer todo esforço para atender quem precisa ser atendido. É muito dinheiro, mas há um entendimento de que é necessário. Então vamos fazer”, disse ele, em pronunciamento pela internet.

Novo programa de emprego

O Ministério da Economia avaliou que o texto concorre com a medida provisória já em vigor, que reduz a jornada e o salário dos trabalhadores.

O governo informou que até agora, mais de 1,8 milhão de trabalhadores já aderiram ao dispositivo.

A expectativa é de que cerca de 24 milhões de pessoas possam aderir nas próximas semanas. O custo estimado pela área econômica foi de R$ 51 bilhões.

BPC

Nesta quinta, a equipe econômica comentou as mudanças propostas no Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a pessoa com deficiência ou idoso que comprove não ter meios para sobreviver.

O projeto em discussão no Congresso possui um critério de concessão do benefício a renda familiar per capita de meio salário mínimo. Atualmente, a renda per capita familiar tem de ser menor que um quarto do salário mínimo.

Segundo cálculos da área econômica, a adoção de 1/2 salário mínimo per capita, de forma imediata e não condicionada, aumentará o gasto anual com o pagamento do benefício em R$ 20 bilhões.

Leia também: Empreendedores de Manaus recebem ajuda online da prefeitura

Bruno Bianco e Esteves Colnago informaram que, caso essa mudança seja aprovada, recomendam o veto ao presidente Jair Bolsonaro.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA