O 136 ligou para seu Celular? Entenda porque você deve atender

Na última quarta-feira (1), o governo anunciou uma nova ferramenta para auxiliar no controle da pandemia causada pelo coronavírus. Além dos portais de notícias oficiais do governo, do aplicativo do SUS e da parceria com veículos de comunicação, a população também conta com o telefone 136.

publicidade
Chamada do número 136 é o governo te ligando! Saiba porquê atender
Chamada do número 136 é o governo te ligando! Saiba porquê atender (Imagem:Reprodução/Google)
publicidade

As chamadas são feitas com autorização do Ministério da Saúde. Uma das perguntas é “você tem apresentado febre e tosse, ou febre e dor de garganta?”.

Leia também: URGENTE! Auxílio de R$600 não foi repassado para 30% dos inscritos no CadÚnico

Essa é uma das formas para verificar possíveis casos de infecções pelo novo coronavírus. As consultas acontecem via telefone, e os brasileiros podem tirar suas dúvidas sobre o contágio do Covid-19. 

A previsão é que sejam feitas cerca de 125 milhões de ligações por meio do telefone 136, que passa orientações sobre saúde.

O objetivo dessas ligações é fazer uma análise a distância de possíveis sintomas relatados e mapear as áreas de risco de transmissão do vírus. 

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta disse que: “Fizemos um algoritmo que faz disparo de ligações para 125 milhões de brasileiros. Esses disparos estão ligados em um grande data center, que irá no ajudar a antecipar o nome das pessoas, sua localização, se são grupo de risco e com quem convivem”, disse o ministro.

No serviço, um robô anuncia a ligação e pergunta se a pessoa possui os sintomas mais comuns do vírus.

“Como você deve saber, as autoridades estão muito preocupadas com a epidemia do coronavírus. Queremos enfrentar essa situação junto com você. Para isso, precisamos que responda algumas questões sobre sua saúde”, informa o início da ligação. 

A primeira pergunta é  “Você tem apresentado febre e tosse, ou febre e dor de garganta?”.

Se a resposta for não, o serviço orienta o cidadão a ficar em casa sempre que possível e evitar aglomerações.

Além disso, reforça as medidas básicas de prevenção como lavar as mãos constantemente com água e sabão, fazer uso do álcool em gel, e ao espirrar ou tossir cobrir boca e nariz com o braço.

Agora, se a resposta para essa pergunta for positiva, as orientações devem variar de acordo com os sintomas. 

Para os casos leves, o ministério está orientando as pessoas a ficar em isolamento social e continuar com os cuidados básicos. 

Ao detectar, o serviço vai realizar novas ligações para monitorar. Caso o paciente piore, a orientação é procurar uma unidade de saúde ou um hospital de referência. 

Leia também: Jovem Aprendiz: Inscrições para trabalhar no Correios ainda estão abertas

O ministério também criou um aplicativo, chamado de Coronavírus SUS, para enviar mensagens e alertas para os celulares e tablets sobre a doença. O app já está disponível em plataformas para download, de acordo com a pasta.

Jheniffer FreitasJheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.