ANÚNCIO

Como ações ligadas aos impactos provocados pela pandemia do novo coronavírus no país, empresas estão sofrendo um grande impacto econômico. Por isto, grupos estão solicitando o adiantamento de pelo menos 3 meses dos tributos federais.

Empresas pedem adiamento de 90 dias dos tributos federais (Reprodução/Internet)
Empresas pedem adiamento de 90 dias dos tributos federais (Imagem: Reprodução/Internet)
ANÚNCIO

Além deles, escritórios de advocacia também cobram do Ministério da Economia esta ação com base na portaria de 2012, no qual estabelece as situações em que o estado decrete o estado de calamidade pública. E que como consequência o pagamento dos tributos a nível federal podem ser adiado por até 90 dias.

Leia Também: Coronavírus: conheça todas os incentivos econômicos criados pelo governo

Tendo em vista esta ação, as empresas do estado de São Paulo, no qual já decretou estado de calamidade pública, iniciaram uma movimentação para que haja a efetividade desta lei. Por isto, governador João Dória detalhou em recente entrevista à imprensa que está entrando na Justiça para conseguir o adiamento.

Esta medida que o governador se refere foi editada em 2012 e ainda está em vigor. Ela destaca que contribuintes domiciliados nos municípios abrangidos por decreto estadual devem ter os seus tributos federais prorrogados para o último dia útil do 3° mês subsequente.

Mas é necessário que haja uma regulamentação. Mesmo assim, diversas empresas já entram na justiça para que a medida seja aplicada às suas realidades. Como um exemplo de Curitiba, São Paulo e Brasília que tentam liberar créditos tributários em dinheiro a fim de enfrentar a crise provocada pela Covid-19.

Em entrevista ao Estadão, Lucas Ribeiro, o sócio-diretor da ROIT, destacou que muitas empresas possuem créditos, mas não sabem. E que ações devem ser tomadas mediante ao cenário de pandemia.

Leia Também: Covid-19: aluguel dos lojistas de shoppings está suspenso!

Atualmente ele destaca que este procedimento é usado em ações de compensação mês a mês. “mas devido a pandemia, solicitamos que esses valores sejam depositados imediatamente e diretamente na conta das empresas, para amenizar as consequências da recessão criada com o coronavírus, para que não haja um colapso econômico e social”, pontua o profissional em entrevista ao portal.

Além disto, empresas ainda destacam que a Receita visa também instituir novas ações, como analisar pedidos de restituição de créditos tributários, de todas as naturezas, no prazo máximo de dez dias, liberando-os em conta corrente bancária do contribuinte que assumir o compromisso formal de manter até dezembro.

Juan Gouveia, formado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.