publicidade

Oferecendo novas soluções para seus clientes, o Santander lançou nesta última terça-feira (24) uma nova ação que visa beneficiar também os Microempreendedores Individuais (MEI).  Além desta, outras medidas foram desenvolvidas para ajudar os empreendedores.

Santander lança serviços especiais para o MEI (Reprodução/Internet)
Santander lança serviços especiais para o MEI (Imagem: Reprodução/Internet)
publicidade

Segundo o banco, as empresas que precisarem contratar linhas de capital de giro com o banco terão três meses de carência para pagar a primeira parcela. As medidas são para auxiliar este público durante a crise causada pela pandemia do coronavírus em todo o país.

Leia Também: Santander oferece novo limite para cartão de crédito durante a crise

Mas para obter o benefício da linha de capital, os empresários terão que receber o dinheiro em qualquer maquininha de cartão em sua conta no banco Santander.

Ainda no pacote de medidas, os MEI estão sendo isentados da cobrança de tarifa do pacote de serviços na hora de realizar os TEDs e DOCs, sendo oferecido de forma gratuita por até dois meses.

Já o valor da taxa de pagamento pode ser utilizado como uma espécie de crédito para abater valores e realizar o pagamento de outros impostos, como contas de energia, água, contas de telefone e demais. Mas o procedimento só é válido para aqueles que estão em débito automático e DDA.

A iniciativa visa dar “liquidez ao empreendedor neste momento de redução da atividade econômica, permitindo também uma melhor gestão do orçamento e de seus pagamentos” como destaca o banco em nota enviada à imprensa.

Vale ressaltar que o período de contratações vai até o dia 30 de abril. Além desta proposta, o Santander também comunicou que está prorrogando o pagamento de dívidas por até 60 dias. Esta ação é destinada a pessoas físicas e pequenas e médias empresas que se sentiram prejudicados durante a pandemia.

Leia Também: Seguro desemprego online: governo do CE explica como requerer benefício na internet

Mas a novidade só é possível ser absorvida pelas linhas de crédito pessoal, preventivo, direto ao consumidor contratado em agências e financiamentos imobiliários. Já no caso das empresas, as linhas contempladas são capital de giro e CDC, com postergação do prazo final do contrato.

COMENTÁRIOS

Juan Gouveia, formado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.