ANÚNCIO

Medidas provisórias aprovadas pelo coronavírus viram motivo de fraude na internet. Logo após o governo anunciar que irá conceder um pagamento de R$ 200 para os trabalhadores autônomos de baixa renda, quadrilhas criaram links falsos solicitando possíveis cadastros para o recebimento. O objetivo dos criminosos é aplicar um novo golpe nos usuários que acessam os portais acreditando ser uma espécie de formulário para a obtenção do benefício.

Novo golpe! Voucher de R$200 vira alvo de quadrilha (Imagem: Reprodução - Google)
Novo golpe! Voucher de R$200 vira alvo de quadrilha (Imagem: Reprodução – Google)
ANÚNCIO

Somente na última semana, segundo dados levantados pela PSafe empresa de segurança digital, mais de um milhão de pessoas caíram na armadilha, repassando informações importantes como o número de documentações e dados bancários.

Leia também: Voucher de R$200 para informais: saiba tudo sobre a nova solução do governo

Mesmo ainda sem a liberação do pagamento por parte do governo federal, já foram identificados mais de 25 portais diferentes que estão atuando para roubar dados. Os links mais acessados até o momento foram:

  • auxilio-corona.info
  • com
  • com
  • archivezap.live/
  • ly/AuxilioCidadao

Ao acessar tais abas, os usuários são convidados a criarem um cadastro. Nesse formulário são solicitados nome completo, endereço, número da carteira de identidade, CPF, agência de banco e demais numerações da conta.

Formando esse banco de dados, os criminosos podem usar as informações para a criação de falsas empresas, recebimento dos benefícios, falsificação de documentos, clonar cartões e mais.

Medidas de segurança para evitar o novo golpe

Segundo o Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, o laboratório de segurança digital da PSafe, nesse momento, considerando a quantidade de informações excessivas sobre a pandemia, o mais recomendado é que a população realize cadastros apenas nos canais oficiais do governo.

Leia também: Coronavírus: conheça todas os incentivos econômicos criados pelo governo

É preciso, antes de mais nada, se certificar se o site acessado faz parte da comunicação pública. Para isso, basta conferir alguns pontos como a logo do governo federal, números e demais formas de contato e em caso de dúvidas o melhor é não arriscar.

Ele ressalta também que os materiais enviados por whatsapp devem ser descartados, tendo em vista que a grande maioria são fakenews ou golpes.

Desconfie de qualquer notícia ou link recebido pelo WhatsApp ou redes sociais. Antes de sair compartilhando, pesquise no Google sobre o assunto para se certificar que a informação está sendo divulgada em fontes confiáveis”, aconselha o especialista.

Emilio reafirma que o atual cenário é propicio para que as quadrilhas atuem, tendo em vista que a quantidade de informações sobre a pandemia é triplicada por hora.

E a tendência é que o número de ataques e de vítimas aumente nos próximos dias, principalmente em decorrência do agravamento da situação do país neste momento de crise” alertou.

Maria Eduarda Andrade, mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.