Golpe com cartão de débito: saiba como se prevenir e evitar grandes danos

Novo golpe na praça. Nessa semana, o portal G1 relatou o caso de um leitor que foi furtado por meio de uma corrida de aplicativo, realizada pelo 99 pop. Durante a situação, o entrevistado alegou que ao pagar a corrida pela maquininha, em seu cartão de débito, teve um valor muito acima da taxação final, sem possibilidade de renegociação. Mediante a essa situação, o texto abaixo exibirá um guia para você tomar cuidados na hora de utilizar seu cartão de débito.

Golpe com cartão de débito: saiba como se prevenir e evitar grandes danos (Imagem: Reprodução - Google)
Golpe com cartão de débito: saiba como se prevenir e evitar grandes danos (Imagem: Reprodução – Google)

Diferentemente da função crédito, que pode ter suas compras canceladas e contestadas, a função débito é mais suscetível a golpes como este. Por meio dela, os criminosos conseguem fazer transferências diretas para suas contas, tornando mais difícil a vida da pessoa fraudada.

Leia também: Golpe! Mensagem do Bolsa Família promete pagamento adicional

Desse modo, ao utilizar a ferramenta, é preciso ficar atento há algumas questões. Antes de mais nada, na hora de digitar a senha é importante verificar se o valor digitado condiz com o pagamento que deseja realizar.

Além disso, sempre opte pela opção de envio ou impressão do recibo, para que possa utiliza-lo como um comprovante de pagamento.

Outra ação necessária é verificar a procedência do vendedor na praça, a fim de saber se há queixas ou não em seu nome. No caso de compras online, o recomendado é sempre utilizar a função crédito, para evitar possíveis stress.

Por não poder ter um acesso de comunicação mais direto com a marca ou serviço presente nas plataformas digitais, especialistas recomendam que a função de débito seja suspensa, até mesmo a nível de registro de dados pessoais do titular.

Quanto a isso, é válido ter atenção onde está depositando informações como numeração de cartão, CPF, nome e data de nascimento. Pois há muitas quadrilhas que usam de programas de hacker para ter acesso aos dados e utiliza-los para compras e criação de empresas falsas, por exemplo.

Por fim, mantenha sempre um canal de comunicação com sua instituição financeira, de modo que possa informa-la qualquer possível transtorno e vá em busca de seus direitos, seja com a mesma ou, se necessário, um advogado especialista.

Posicionamento do 99 sobre o golpe com cartão de débito

Questionado pelo portal G1, a startup alegou, por texto, que está ciente da situação, disponível para auxiliar a vítima e irá reforçar seus sistemas de segurança:

A empresa lamenta profundamente essa experiência reportada pela. Assim que tomamos conhecimento do caso, bloqueamos o motorista enquanto o caso é apurado. Estamos disponíveis para colaborar com as investigações da polícia.

Leia também: Imposto de Renda 2020: motorista de aplicativo pode ser contribuinte

A 99 esclarece ainda que é uma plataforma que conecta motoristas e passageiros por meio de seu aplicativo. Os condutores podem escolher seus horários, se atuam em outras plataformas de transporte e também se possuem ou não maquininha de cartão. A empresa consegue mapear, rastrear e agir em cima dos pagamentos feitos por meio do app, ou seja, quando o cartão está cadastrado para pagamento automático no sistema. Quando o passageiro opta por pagar diretamente ao motorista, que é um profissional autônomo, dentro do carro, a companhia recomenda que ele verifique o valor da cobrança e se atente para qualquer alteração, como o faria em qualquer estabelecimento.

Em situações como essa, a empresa orienta que passageiro ou passageira reporte imediatamente pelo telefone 0300 3132 421 para que medidas corretivas sejam adotadas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA