Crise nos aeroportos! Representantes da classe estão assustadas

O coronavírus está alterando a rotina de todos os cidadão brasileiros, e estrangeiros. Com as recomendações de se permanecer em casa, viagens estão sendo canceladas ou remarcadas. Tais problemas estão afetando e muito o setor aéreo, o que desencadeou uma verdadeira crise nos aeroportos do país.

Crise nos aeroportos! Representantes da classe estão assustadas
Crise nos aeroportos! Representantes da classe estão assustadas (Foto: Google)

Dyogo Oliveira, presidente da Associação Nacional das Empresas Administradoras de aeroportos (ANAC) falou sobre este difícil momento em entrevista ao G1.

Leia Mais: Quer cancelar viagem ao exterior devido o coronavírus? Saiba seus direitos

“Essa é, com certeza, a crise mais grave da história do transporte aéreo. Nem mesmo no 11 de setembro nós tivemos um impacto tão grande em tantos países”, falou o Dyogo.

Ele diz que ainda não é possível dimensionar os efeitos no Brasil, já que por enquanto não existe uma medida de restrição fixa imposta pelo governo.

As recomendações mudam a cada dia. Porém, a estimativa é de que o movimento tenha caído 20% na última semana. Dyogo acredita que a queda ainda irá crescer nos próximos dias.

A Aneaa reúne as empresas que administram os aeroportos brasileiros que foram dados à iniciativa privada. Entre eles, estão os aeroportos de  Brasília (DF), Guarulhos (SP), Viracopos (SP) e Confins (MG).

Na soma do movimento de cada um, estes aeroportos representam 70% de todo o fluxo de passageiros do setor aéreo no país, de acordo com informações da associação.

Por conta da suspensão de viagens para a Europa e Estados Unidos na ultima semana, a companhia American Airlines cortou 75% dos voos, o que incluiu todos os programados para o Brasil.

As companhias aéreas brasileiras também estão sentido a crise dos aeroportos, e começam a ajustar a oferta frente à queda na demanda de serviços.

Dyogo também se preocupa para um possível risco sistêmico em toda a cadeia de aviação.

“A parte mais visível do sistema é a companhia aérea, porque é ali que a população se relaciona com o setor. Entretanto, por trás desse primeiro elo, há todo um conjunto se serviços, de operações, que serão igualmente impactados. A própria administração do aeroporto é um elo que vai ser diretamente impactado. E aí, na sequência, você tem lojistas, prestadores de serviços, empresas de catering e assim por diante”.

Diante dos problemas e preocupações, o setor aéreo está em negociações com o governo. Eles esperam um pacote de medidas que possam ajudar neste momento difícil.

Leia Mais: Licença maternidade para mães de prematuros ganha novo prazo

Segundo o presidente da ANAC a conversa com o governo brasileiro é sobre duas propostas. A primeira tem haver com o alívio nas contas a serem pagos pela categoria nos próximos três meses.

E a outra, tem relação com um possível empréstimo dos bancos públicos para que possa abastecer o caixa das empresas, e alimentar o capital de giro das mesmas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.