IRPF 2020: rescisão de 2019 precisa ser incluída na sua declaração

Aqueles que perderam o emprego no ano passado devem ficar atentos no momento de declarar no IRPF 2020 o valor recebido na rescisão. É preciso ficar atento aos salários recebidos ao longo do ano passado e as verbas indenizatórias que devem ser declaradas separadamente.

IRPF 2020: rescisão de 2019 precisa ser incluída na sua declaração
IRPF 2020: rescisão de 2019 precisa ser incluída na sua declaração (Imagem:Montagem/FDR)

Em entrevista ao Jornal O Globo, o professor de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Gustavo Fossati, comentou sobre que o motivo de o contribuinte cair na malha fina da Receita ocorre normalmente pela divergência entre os valores declarados pela empresa e aqueles informados na declaração.

“Se a empresa declara, e o trabalhador não, a omissão é logo identificada no cruzamento de dados, e o contribuinte pode cair na malha fina.”, disse. 

Leia também: Restituição do IR será paga nesta segunda-feira (16)

O contribuinte é orientado a reunir todos os informes de rendimentos das empresas nas quais tenha trabalhado no ano passado para verificar os valores que devem ser informados.

A multa de 40% do FGTS, as férias não tiradas, incentivos de Plano de Demissão Voluntária (PDV) e o aviso-prévio, as verbas indenizatórias, tudo deve ser declarado no IRPF 2020 como “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”. 

Já o décimo terceiro, proporcional de férias, horas extras e adicional noturno, assim como os valores relacionados ao salário devem ser inseridos na parte de “Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica”, sendo que o décimo-terceiro deve entrar em “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”.

A sócia fundadora da Utumi Advogados, Ana Cláudia Utumi, comentou sobre o aviso prévio “Se o aviso prévio foi trabalhado, é considerado um salário normal, e, portanto, é tributável. Mas, se foi pago, é considerado indenização e não é tributável”, disse.

O dinheiro do seguro-desemprego junto com o do saque do FGTS também devem ser declarados. Nesse caso, o contribuinte vai informar que a fonte pagadora é o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e Caixa Econômica Federal.

Aqueles que foram dispensados de empresas que fecharam ou faliram devem declarar apenas quando receberem os valores devidos. Quem foi demitido em outro momento, mas só recebeu o valor em 2019, deve declarar. O gerente sênior da Mazars, Bernardo Sermenho, explicou sobre como declarar os ganhos com decisões judiciais no IRPF 2020.

Leia também: Tributos sobre conta de luz serão anulados ao consumidor

“Ganhos com decisões judiciais são sempre isentos. Mesmo que a origem das verbas não seja indenizatória, por envolver juízo, elas passam a ser. Por isso, devem ser declaradas” afirmou.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA