Salário mínimo de 2021 deve crescer R$4,70 a menos com nova inflação

Situação econômica de 2021 pode não ser boa para os brasileiros. Nessa semana, a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia anunciou uma possível redução no valor do salário mínimo de 2021. Segundo o órgão, a estimativa de crescimento de 3,73% foi reajustada para 3,28%, fazendo com que o piso nacional fique R$ 4,70 abaixo do esperado.

Salário mínimo de 2021 deve crescer R$4,70 a menos com nova inflação (Imagem: Reprodução - Google)
Salário mínimo de 2021 deve crescer R$4,70 a menos com nova inflação (Imagem: Reprodução – Google)

Para poder definir a quantia, o ministério da economia leva em consideração as taxas do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Trata-se de um indicativo onde o governo federal consegue contabilizar os gastos e poder de compra e venda em todo o território nacional.

Leia também: Pagamento do BPC é antecipado para vítimas de deslizamentos no Guarujá

É por meio de seu resultado final que a equipe econômica reformula a nova variação do mínimo e para esse ano os números não estão parecendo positivos.

O cálculo final do piso contabilizará o índice dos últimos 12 meses (janeiro a dezembro de 2020). Segundo o esperado, o piso nacional passará a ser de R$ 1.079,27, enquanto o esperado pelo governo era R$ 1.083,97.

Ao liberar a informação, o governo informou que os valores poderão ser alterados, tendo em vista que a correção terá por base apenas a variação da inflação registrada nesse ano. Até o mês de dezembro, o percentual poderá variar de acordo com os desdobramentos econômicos nacionais.

Economia de gastos com o salário mínimo de 2021

É válido ressaltar que, qualquer acréscimo no salário mínimo de 2021 modifica diretamente o orçamento dos cofres públicos. Se a estimativa dos R$ 4,70 se confirmarem, o governo federal terá uma economia de R$ 1,66 bilhão.

Leia também: Cálculo do salário mínimo é visto como pauta bomba no Congresso

Isso porque, a cada R$ 1 aumentado no piso nacional, a união precisa liberar cerca de R$ 355,5 milhões. O valor é utilizado como base para definir inúmeros pagamentos, como as aposentadorias de demais auxílios do INSS, seguro-desemprego, abono salarial e mais.

Para esse ano, com as variações do INPC e estimativa antecipada, o piso passou por duas modificações. O valor inicial definido no dia 30 de dezembro de 2019 foi de R$ 1.035 e na sequência, em 14 de janeiro de 2020, com o fechamento real do INPC, o ministério da economia reajustou para R$1.045.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.