Economia volta à recuperação com alta da Bolsa e diminuição do dólar

Após um dia de perdas históricas e gerando pânico global, a Bolsa de Valores recuperou uma parte de suas perdas e o dólar teve a sua maior queda diária em seis meses. Nesta terça-feira (10), o dólar comercial encerrou sendo vendido a R$4,46, um recuo de R$0,08.

Economia volta à recuperação com alta da Bolsa e diminuição do dólar
Economia volta à recuperação com alta da Bolsa e diminuição do dólar (Imagem:Reprodução/Google)

Essa foi a maior queda da moeda americana desde o dia 4 de setembro do ano passado, quando ele havia caído 1,79%.

Leia também: Dólar tem 12° sessão seguida de alta e casas de câmbio cobram R$5 na moeda

Esse foi o segundo dia seguido que o Banco Central (BC) realizou a venda de dólares das reservas internacionais para acalmar o mercado. Foram vendidos US$2 bilhões no mercado à vista. 

Hoje, o BC anunciou a venda de US$1 bilhão de contratos de swap cambial, que funcionam como venda de dólares no mercado futuro. A moeda acumula alta de 15,77% neste ano de 2020.

Na segunda (9), após ter recuado 12,17%, o índice Ibovespa fechou o dia com alta de 7,14%, aos 92.214 pontos, essa foi a maior alta para um dia desde o mês de janeiro de 2009. As ações da Petrobras caíram em quase 30%, e também conseguiu recuperar. 

Outro que fechou o dia em alta de 8,51% foram os papéis ordinários, que são com os votos em assembléia de acionistas. Já os papéis preferenciais, que possuem preferências na distribuição de dividendos valorizaram em 9,41%.

As cotações do petróleo internacional também subiram. O barril do tipo Brent, que caiu cerca de 26% no final de semana, foi valorizado em 9,84% subindo para US$37,84.

A queda no barril de petróleo traz para o Brasil consequências nas ações da Petrobras, a maior empresa brasileira capitalizada na bolsa. De acordo com a estatal, a extração de petróleo no pré-sal só é viável se o barril está acima de US$45. 

Leia também: Voos internacionais podem ficar mais baratos com nova MP

Caso os preços baixos se mantenham, a Petrobras repassará a queda do preço internacional para a gasolina e o diesel. Se, por um lado, a queda beneficia os consumidores; por outro, prejudica o setor de etanol que perde competitividade.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA